Salsicha – um alimento nutritivo e versátil

Salsicha – um alimento nutritivo e versátil
Rate this post




Inventada pelos gregos, a salsicha já era conhecida nove séculos a.C. quando foi mencionada por Homero em sua Odisseia. No entanto, a palavra é de origem latina, sal-sisium, que significa “alimento salgado”.

Na Roma antiga, a salsicha era feita com carne de porco e sementes moídas de um certo tipo de pinheiro, temperada com louro, cominho e pimenta preta. Ela acabou por identificar-se com os rituais orgíacos anuais celebrados em honra do deus Pa e de Flora, deusa das flores e dos jardins. Em razão disso, os cristãos condenaram esse alimento e, em 313, o imperador Constantino, o Grande, proibiu sua fabricação e consumo. Ainda assim, a salsicha conseguiu atravessar os séculos e, atualmente, só na Alemanha são fabricados 1 456 diferentes tipos de salsicha, dos quais apenas uma pequena parte é conhecida e consumida no Brasil.

Os principais são:

Frankfurt ou Frankfurters — Feita com carne magra de porco, pimenta-branca e condimentos, tudo bem moído.

Viena ou Vienense — Menos condimentada e mais macia que a Frankfurt, é feita com partes iguais de carne de porco magra e carne de vaca e certa proporção de carne de porco gorda ou toucinho.

Coquetel ou Churrasquita — Na fabricação desta salsicha entram duas partes de carne de porco magra, uma parte de carne de vitela, uma de pescoço de porco e condimentos (pimenta e vinho do Reno).

Debreziner — De sabor picante, tem composição semelhante à da Vienense, mas é mais grossa e curta e as carnes que a compõem não são tão moídas.

Weisswurst — Salsicha branca e macia de sabor delicado, própria para ser cozida ou assada na brasa.

Salsicha branca de miolo — É feita com miolo e carne magra de porco em partes iguais.

Knackwurste — É fabricada com miúdos  e  carne de porco magra, carne de vaca, toucinho e condimentos (sal, alho e cominho).

Não muito conhecidas no Brasil, as salsichas especiais, fabricadas com misturas de carnes (de boi, vitela, porco, aves e peixes) e legumes (como pimentão e cogumelo), condimentadas com rum, mel e vários tipos de temperos secos, são de excelente sabor.

FABRICAÇÃO E VALOR NUTRITIVO




Para salsichas de boa qualidade, devem ser usadas carnes de animais jovens (contêm mais gelatina, substância que dá maciez à salsicha), recém-abatidos. Segundo os especialistas, este alimento fica mais saboroso se as carnes ainda estiverem quentes no momento de prepará-lo. Moída e temperada com salitre, a mistura de carnes é batida em máquinas especiais, o que lhe dá certa fluidez. De acordo com o tipo de salsicha e a fórmula empregada pelo fabricante (cada um tem a sua, mesmo para salsichas do mesmo tipo), a massa é então condimentada, refrigerada e,*a seguir, embutida ou acondicionada em tripas de ovelha ou artificiais (feitas de material plástico). Depois de acondicionada, sofre um processo de defumação e escaldamento, quando se acentua a cor avermelhada.

O valor nutritivo da salsicha depende muito dos ingredientes que a compõem. No entanto, pode-se considerar que, em média, cada 100 g oferecem 17 g de proteínas, 30 g de gordura e 340 calorias. De fácil digestibilidade — especialmente os tipos mais magros e menos condimentados — e por serem suas proteínas de alto valor biológico, é aconselhada para adolescentes e crianças com mais de 3 anos de idade. No entanto, sendo rica em gorduras e calorias, não deve fazer parte da alimentação das pessoas que desejam manter ou perder peso.

É IMPORTANTE ESCOLHER BEM

Ao comprar salsichas a granel ou embaladas em material plástico, deve-se dar preferência às uniformemente coradas, lisas e sem manchas escuras nas pontas. Quando enlatadas, é preciso observar bem a aparência externa da lata. Se estiver com as tampas estufadas, convém não comprar, pois as salsichas podem estar estragadas. Latas amassadas também devem ser rejeitadas, porque o amassamento pode ter rompido a película que reveste a lata internamente, deixando o alimento em contato direto com a folha de ferro estanhada e fazendo-o estragar-se.

CONSERVAÇÃO E PREPARO

Existem várias maneiras de conservar a salsicha, um alimento que também serve pra decorar pratos.

1)  Salsichas  frescas   devem   ser conservadas  em  geladeira,  e  não mais do que dois dias.

2)  Quando postas a cozinhar, as salsichas  tendem  a abrir, ficando com uma aparência muito feia. Portanto, elas devem ser apenas aquecidas em água, até que levante fervura. Um outro modo de esquentar as salsichas é colocá-las em água recém-fervida, fora do fogo e em recipiente  tapado, deixando-as assim durante cinco minutos.

3)  Aquecer salsichas em cerveja é uma forma de deixá-las   ainda mais suculentas.

4)  Rodelas de salsicha podem ser usadas para enfeitar canapés, enriquecer molhos ou ensopados e, também, como tira-gosto acompanhando bebidas alcoólicas.

5)  Sobras de salsichas frescas devem ser guardadas na geladeira, em um recipiente com água fria ligeiramente salgada. Isso ajuda a manter seu gosto natural.

6)  Uma vez retiradas da lata, as salsichas se conservam perfeitamente se forem colocadas num recipiente  limpo, cobertas com o liquido da lata e guardadas em geladeira.

7)  Depois de aquecidas, se as salsichas não puderem ser servidas imediatamente, devem ser  conservadas em água quente e temperadas com sal  até irem  à mesa. Assim, elas não perderão seu sabor.

8)  As salsichas estragam com facilidade; por isso. devem ser compradas em pequena quantidade e consumidas logo do contrário podem causar graves intoxicações.

No Comments

Leave a Reply