47 exercícios de interpretação com gabarito

Esta é uma lista de exercícios de interpretação de textos. É evidente que você já percebeu que a interpretação de texto é uma habilidade que muitos deixam de lado e de que só se lembram quando já é tarde demais, ou seja, na hora da prova. Como aluno, vestibulando e candidato esperto que você é, já está se preparando para as provas com estes exercícios que vêm com gabarito comentado. Depois de assistir as aulas do Descomplica e as explicações bem detalhadas dos professores, agora é hora de ir para a prática. O fato de apresentar aqui as justificativas das respostas é um diferencial em relação a muitos outros sites porque não conheço muitos que apresentam as justificativas para as respostas escolhidas. No Enem você não precisará justificar, porém é importante não só que você entenda qual a resposta certa como também o porquê das outras estarem erradas. Confira, portanto, os gabaritos assim que resolver estes exercícios.

Lista de atividades de interpretação com gabarito comentado

TEXTO LIX

PRISÃO DE VENTRE NA ALMA (fragmento)

Todos estamos nos tornando, hoje, mais desconfiados do que no passado. Com exceção das pessoas que se dispõem a pagar um preço altíssimo por uma unidade monolítica, somos todos bastante divididos interiormente.

Para o bem ou para o mal, vão rareando as convicções inabaláveis. Uma parte de nós quer acreditar, outra é descrente.

Gostaríamos de ter segurança para acreditar em coisas que ninguém pode assegurar que são inteiramente dignas de nossa confiança.

As verdades do crente dependem da fé, enquanto a fé existe.

Mas a fé também pode deixar de existir; ela não depende da razão, nem da ciência; depende de Deus, que a deu e pode tirá-la. O filósofo Pascal já no século XVI afirmava que a nossa razão serve, no máximo, para nos ajudar a fazer apostas mais convenientes.

As verdades científicas, por sua vez, dependem da história, são periodicamente revistas, reformuladas. As novas descobertas e as novas invenções não se limitam a complementar os conhecimentos já adquiridos: exigem que eles sejam rediscutidos e às vezes drasticamente modificados.

E as verdades filosóficas? Quanto maiores forem os pensadores que as enunciam, mais acirrada será a controvérsia entre eles. As verdades filosóficas se contradizem, umas questionam as outras.

Somos envolvidos, então, por uma onda de ceticismo. É possível que essa onda já tenha tido alguns efeitos favoráveis à liberdade espiritual dos indivíduos, ao fortalecimento neles do espírito crítico. É possível que ela tenha de algum modo “limpado o terreno” para um diálogo mais desenvolto entre as criaturas, para valores mais comprometidos com o pluralismo, contribuindo para a superação de algumas formas rígidas e dogmáticas de pensar.

Dentro de limites razoáveis, o ceticismo atenua certezas, suaviza conclusões peremptórias e abre brechas no fanatismo. Na medida em que se espraia indefinidamente, contudo, ele traz riscos graves. A própria dinâmica de um ceticismo ilimitado apresenta uma contradição insuperável.

O poeta Brecht expressou esse impasse num poeminha que tem apenas três versos e que não pode deixar de ser reproduzido aqui: “Só acredite no que seus olhos vêem e no que seus ouvidos escutam. Não acredite nem no que seus olhos vêem e seus ouvidos escutam. E saiba que, afinal, não acreditar ainda é acreditar.”

Realmente, quem não acredita, para estar convencido de que não está acreditando, precisa acreditar em seu poder de não acreditar.

Aquele que não crê, curiosamente, está crendo na sua descrença.

(Leandro Konder)

399) “…as pessoas que se dispõem a pagar um preço altíssimo por uma unidade monolítica…”; com esse segmento o autor do texto quer referir-se:

a) àquelas pessoas que, tendo possibilidades, procuram aumentar sua cultura a ponto de superarem as dúvidas.

b) aos indivíduos que se sacrificam interiormente em troca de uma consistência psicológica que os defenda de divisões internas.

c) às pessoas que se dispõem a viver sozinhas, separadas de todos os demais, a fim de evitar sofrimento inútil.

d) àqueles que imaginam viver em comunhão com Deus de modo fiel e, pela fé, superar os obstáculos.

e) àqueles céticos que defendem seu ateísmo de forma a mostrarem uma unidade de pensamento que, na verdade, não possuem.

400) “Uma parte de nós quer acreditar, outra é descrente.” O par de vocábulos abaixo que não poderia substituir, respectivamente, de forma adequada, os elementos sublinhados é:

a) quer ter fé / pecadora ;

b) quer crer / incrédula ,

c) quer confiar / desconfiada •.

d) quer dar crédito / cética

e) quer ter certeza / insegura

401) A divisão interna do ser humano, segundo o texto:

a) está mais ligada à perda da fé, que nos é dada ou tirada por Deus, do que à perda da credibilidade na ciência ou na filosofia.

b) se prende unicamente à contradição das verdades filosóficas, que se apoiam na maior ou menor credibilidade de seus enunciadores.

c) se origina da perda de nossas convicções, sejam na religião, na ciência ou na filosofia.

d) é própria da natureza humana, que não consegue criar, nem na religião, nem na ciência ou na filosofia, algo confiável.

e) é altamente positiva, já que nos livra do fanatismo e dos radicalismos de qualquer espécie.

402) Segundo o texto, as novas descobertas e as novas invenções:

a) servem para mostrar a força criativa do homem, opondo-se a “verdades definitivas”.

b) mostram o progresso dos conhecimentos científicos, criado a partir da correção dos erros anteriores.

c) discutem e modificam, além de desmascararem, todas as teorias científicas do passado.

d) demonstram a incapacidade da ciência de atingir a verdade, pois estão sempre corrigindo o caminho percorrido.

e) comprovam que a ciência também tem suas verdades permanentemente renovadas, pela complementação ou correção do já descoberto.

403) O ceticismo, segundo o texto, apresenta como aspecto positivo:

a) o aparecimento de um forte radicalismo crítico

b) a queda do pluralismo, que sempre desuniu os homens

c) o reconhecimento da possibilidade de várias verdades

d) o surgimento de formas mais rígidas e dogmáticas de pensar

e) a possibilidade de ampliar as brechas do fanatismo

404) O poeta Brecht é citado no texto para:

a) trazer sensibilidade ao tratamento do tema.

b) opor-se a uma teoria dominante.

c) comprovar a falência dos sentidos humanos.

d) ilustrar a contradição interna do ceticismo.

e) valorizar a força da fé.

405) O texto de Leandro Konder deve ser considerado como:

a) didático

b) informativo

c) argumentativo

d) expressivo

e) narrativo

TEXTO LX

AUXILIAR CENSITÁRIO DE APURAÇÃO – IBGE

RECURSOS HUMANOS

Li que a espécie humana é um sucesso sem precedentes.

Nenhuma outra com uma proporção parecida de peso e volume se iguala à nossa em termos de sobrevivência e proliferação. E tudo se deve à agricultura. Como controlamos a produção do nosso próprio alimento, somos a primeira espécie na história do planeta a poder viver fora de seu ecossistema de nascença. Isso nos deu mobilidade e a sociabilidade que nos salvaram do processo de seleção, que limitou outros bichos de tamanho equivalente e que acontece quando uma linhagem genética dependente de um ecossistema restrito fica geograficamente isolada e só evolui como outra espécie. É por isso que não temos mudado muito, mas também não nos extinguimos.

(Luís Fernando Veríssimo)

406) Segundo o texto, o sucesso da espécie humana é medido:

a) por sua capacidade de viver fora de seu ecossistema

b) por sua sobrevivência e proliferação

c) por possibilidade de produzir seu próprio alimento

d) por sua inalterabilidade e resistência à extinção

e) por sua agricultura

407) Dizer que a espécie humana “é um sucesso sem precedentes” eqüivale a dizer que:

a) não há explicações possíveis para esse sucesso.

b) poucas espécies tiveram sucesso semelhante.

c) nada ocorreu antes que pudesse explicar esse fato.

d) nenhuma outra espécie já atingiu tal sucesso.

e) nosso sucesso é independente de nossos antepassados.

408) Precedente e procedente são palavras de forma semelhante, mas de significados distintos. A frase abaixo em que há ERRO no emprego da palavra destacada é:

a) A nova pesquisa deve fazer emergir resultados interessantes.

b) É necessário ter bom senso para julgar os questionários da pesquisa.

c) Muitas informações mostram descriminação racial em pequena parte da população.

d) alguns pesquisadores são destratados pelos entrevistados.

e) alguns entrevistados indicam sua naturalidade em vez de sua nacionalidade.

409) “Nenhuma outra com uma proporção parecida de peso e volume se iguala à nossa em termos de sobrevivência e proliferação”. Pode-se inferir desse segmento que:

a) não há outras espécies com a mesma proporção de peso e volume que a espécie humana.

b) só a espécie humana vai sobreviver.

c) só a espécie humana proliferou de forma tão rápida e ampla.

d) sobrevivência e proliferação são valores que medem o sucesso de uma espécie.

e) nossa proporção de peso e volume ajudou a nossa espécie a ter sucesso.

410) O termo destacado nos itens abaixo refere-se a algum termo anterior do texto; o item em que essa referência é esclarecida de forma ERRADA é:

a) Nenhuma outra (espécie) com uma proporção parecida…

b) …se iguala à nossa (proporção) em termos de sobrevivência…

c) Isso (o fato de viver fora de nosso ecossistema de nascença) nos deu mobilidade…

d) …que (mobilidade e sociabilidade) nos salvaram do processo de seleção.

e) …e que (processo de seleção) acontece quando uma linhagem genética…

411) “Como controlamos a produção de nosso próprio alimento, somos a primeira espécie na história…”; a oração sublinhada apresenta, em relação à seguinte, o valor de:

a) condição

b) modo

c) comparação

d) conclusão

e) causa

412) O item em que o sinônimo da palavra destacada está corretamente indicado é:

a) “…em termos de sobrevivência e proliferação.” – multiplicação

b) “Isso nos deu mobilidade…” – rapidez

c) “Isso nos deu mobilidade e a sociabilidade…” – negociação

d) “…que limitou outros bichos…” – confirmou

e) “… de um ecossistema restrito…” – selecionado.

413) O item abaixo que apresenta uma afirmação correta em relação ao texto lido é:

a) O autor declara sua esperança na sobrevivência da espécie humana.

b) O texto analisa a independência da espécie humana em relação à produção de seus próprios alimentos.

c) O texto mostra certas peculiaridades da espécie humana em relação a outras espécies.

d) O autor prevê certas dificuldades para a sobrevivência da espécie humana no planeta.

e) O texto alude à possibilidade de a espécie humana ficar dependente de um ecossistema restrito.

414) “Li que a espécie humana é um sucesso sem precedentes.”; a frase abaixo cuja estrutura ALTERA o sentido original desse segmento é:

a) Li que o sucesso da espécie humana é sem precedentes.

b) A espécie humana é um sucesso sem precedentes, segundo o que li.

c) Ser a espécie humana um sucesso sem precedentes foi o que foi lido por mim.

d) Li ser a espécie humana um sucesso sem precedentes.

e) Li que a espécie humana é um sucesso que não tem precedentes.

TEXTO LXI

TFC

Com franqueza, estava arrependido de ter vindo. Agora que ficava preso, ardia por andar lá fora, e recapitulava o campo e o morro, pensava nos outros meninos vadios, o Chico Telha, o Américo, o Carlos das Escadinhas, a fina flor do bairro e do gênero humano. Para o cúmulo de desespero, vi através das vidraças da escola, no claro azul do céu, por cima do morro do Livramento, um papagaio de papel alto e largo, preso de uma corda imensa que bojava no ar, uma cousa soberba. E eu na escola, sentado, pernas unidas, com o livro de leitura e a gramática nos joelhos.

– Fui bobo em vir, disse eu ao Raimundo.

– Não diga isso, murmurou ele.

(“Conto de escola”. Machado de Assis. In: Contos, São Paulo, Ática, 1982, 9a ed., p. 25-30)

415) Indique o segmento que completa, de acordo com o texto, o enunciado formulado a seguir: No trecho transcrito, o narrador-personagem é um menino, que relata:

a) as dificuldades que experimenta nas aulas de leitura e gramática.

b) o desespero por não possuir um papagaio de papel tão soberbo como aquele que via no céu.

c) os temores de ficar de castigo, sentado, os livros nos joelhos.

d) o arrependimento por não ter acompanhado Raimundo nas estripulias com os meninos do morro.

e) suas emoções em um dia de escola.

416)Indique o segmento que completa, de acordo com o texto, o enunciado formulado a seguir: O menino se confessava “arrependido de ter vindo” porque:

a) os outros meninos vadios passariam a chamá-lo de bobo.

b) não gostava que os outros meninos empinassem seu papagaio de papel.

c) preferia ter ficado com os outros meninos, a brincar na rua.

d) tivera de cumprir a promessa de que viria, feita a Raimundo.

e) sentia dor nas pernas, ao ficar muito tempo sentado, com os livros nos joelhos.

417) Indique a letra que não apresenta uma relação semântica correta entre os termos emparelhados.

a) menino-narrador – arrependido de ter vindo

b) menino-narrador – preso de uma corda imensa

c) papagaio de papel – uma cousa soberba

d) papagaio de papel – bojava no ar

e) papagaio de papel – alto e largo

418) Assinale o segmento que pode substituir no texto, sem prejuízo da significação original, o trecho: “Ardia por andar lá fora.”

a) Queimava de raiva por estar preso.

b) Ansiava por estar lá fora.

c) Fervia-me para caminhar pelas ruas.

d) Recapitulava para saltar para a rua.

e) Almejava dirigir-me para o refeitório.

TEXTO LXII

ANALISTA JUDICIÁRIO DO TRF – 3a REGIÃO

O PARTO E O TAPETE

RIO DE JANEIRO – Big nem era minha, era de um cunhado.

Naquele tempo eu ainda não gostava de cachorros, pagando por isso um preço que até hoje me maltrata. Mas, como ia dizendo, Big não era minha, mas estava para ter ninhada, e meu cunhado viajara.

De repente, Big procurou um canto e entrou naquilo que os entendidos chamam de “trabalho de parto”. Alertado pela cozinheira, que entendia mais do assunto, telefonei para o veterinário que era amigo do cunhado. Não o encontrei. Tive de apelar para uma emergência, expliquei a situação, 15 minutos depois veio um veterinário. Examinou Big, achou tudo bem, pediu um tapete.

Providenciei um, que estava desativado, tivera alguma nobreza, agora estava puído e desbotado. O veterinário deitou Big em cima, pediu uma cadeira e um café. Duas horas se passaram, Big teve nove filhotes e o veterinário me cobrou 90 mil cruzeiros, eram cruzeiros naquela época, e dez mil por filhote. Valiam mais – tive de admitir.

No dia seguinte, com a volta do cunhado, chamou-se o veterinário oficial. Quis informações sobre o colega que me atendera.

Contei que ele se limitara a pedir um tapete e pusera Big em cima. Depois pedira um café e uma cadeira, cobrando-me 90 mil cruzeiros pelo trabalho.

O veterinário limitou-se a comentar: “Ótimo! Você teve sorte, chamou um bom profissional!”. Como? A ciência que cuida do parto dos animais se limita a colocar um tapete em baixo?

“Exatamente. Se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo e cobraria mais caro, moro longe”.

Nem sei por que estou contando isso. Acho que tem alguma coisa a ver com a sucessão presidencial. Muitas especulações, um parto complicado, que requer veterinário e curiosos. Todos darão palpites, todos se esbofarão para colocar o tapete providencial que receberá o candidato ungido, que nascerá por circunstâncias que ninguém domina.

E todos cobrarão caro.

(Carlos Heitor Cony, Folha de S. Paulo, 19-12-01)

419)A associação entre o episódio narrado e a sucessão presidencial apòia-se

a) no argumento de que dos dois nascerá algo de grande valia e importância.

b) na idéia de que, num e noutro caso, cumprem-se rituais que pouco interferem nos fatos, mas que têm alto preço.

c) no fato de que sempre se estendem tapetes aos líderes poderosos que estão por vir.

d) na suposição de que as emergências são iguais por mais diferentes que pareçam.

e) na constatação de que a sucessão requer o envolvimento de especialistas e muita precisão.

420) Observe as frases I e II, extraídas do texto.

I. “Big nem era minha, era de um cunhado.”

II. “Big não era minha, mas estava para ter ninhada, e meu cunhado viajara.”

É correto dizer que o narrador

a) em I, sugere estar desobrigado em relação ao animal; em II, faz ressalva a essa desobrigação.

b) em I, afirma ser estranho ao animal; em II, reitera sua indiferença em relação a este.

c) em I, exprime desprezo pelo animal; em II, manifesta um mínimo de consideração pelo destino deste.

d) em I, nega ter vínculos com o animal; em II, critica o cunhado que se ausentou, deixando Big aos cuidados de outrem.

e) em I, mostra-se longe de ter responsabilidade pelo animal; em II, invoca a responsabilidade do legítimo proprietário.

421) Ao afirmar “tive de admitir” (final do 3fl parágrafo), o narrador dos fatos está indicando que

a) constatou a verdadeira importância do profissional que assistira Big, em seu trabalho de parto.

b) tomou consciência de que pagara mais do que valiam os filhotes de Big no mercado.

c) se curvou ao argumento empregado pelo veterinário para justificar o preço de seu serviço.

d) se estarreceu com o valor que um filhote pode atingir e com o preço que cobram os veterinários.

e) pagou pelos filhotes um preço justo, já que valiam mais do que dez mil cruzeiros.

422) “Se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo e cobraria mais caro, moro longe.” O significado do período acima está corretamente expresso em:

a) Mesmo que tivesse me encontrado, eu faria o mesmo cobrando mais caro, portanto moro longe.

b) Caso tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, mas cobraria mais caro, pois moro longe.

c) Embora tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, porém cobraria mais caro; moro longe, pois.

d) Desde que tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, pois cobraria mais caro, contanto que moro longe.

e) Salvo se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, porque cobraria mais caro, mesmo morando longe.

423) A palavra que expressa corretamente o significado de ungido, em… “colocar o tapete presidencial que receberá o candidato ungido”…, é

a) sacrificado

b) usurpado

c) surgido

d) proposto

e) sagrado

424) A frase que traz implícita a idéia de mudança de situação é:

a) Naquele tempo eu ainda não gostava de cachorros.

b) Nem sei por que estou contando isso.

c) Examinou Big, achou tudo bem, pediu um tapete.

d) Quis informações sobre o colega que me atendera.

e) Ótimo! Você teve sorte, chamou um bom profissional.

TEXTO LXIII

CIÊNCIAS HUMANAS – IBGE

TEXTO

ENTREVISTA

O ensaísta canadense Alberto Manguei, autor de Uma História da Leitura, explica por que a palavra escrita é a grande ferramenta para entender o mundo.

Veja Numa época em que predominam as imagens, por que a 5 leitura ainda é importante?

Manguei – A atual cultura de imagens é superficialíssima, ao contrário do que acontecia na Idade Média e na Renascença, épocas que também eram marcadas por uma forte imagética. Pense, por exemplo, nas imagens veiculadas pela publicidade. Elas captam a nossa atenção 10 por apenas poucos segundos, sem nos dar chance para pensar. Essa é a tendência geral em todos os meios visivos. Assim, a palavra escrita é, mais do que nunca, a nossa principal ferramenta para compreender o mundo. A grandeza do texto consiste em nos dar a possibilidade de refletir e interpretar. Prova disso é que as pessoas estão lendo cada vez mais, 15 assim como mais livros estão sendo publicados a cada ano. Bill Gates, presidente da Microsoft, propõe uma sociedade sem papel. Mas, para desenvolver essa idéia, ele publicou um livro. Isso diz alguma coisa.

(Veja, 7 de julho de 1999)

425) …a palavra escrita é a grande ferramenta para entender o mundo. (/.02/3); o item abaixo que representa o papel da palavra escrita no entendimento do mundo é o de:

a) instrumento

b) motivo

c) objetivo

d) modo

e) processo

426)…a palavra escrita é a grande ferramenta para entender o mundo (/.02/3); o item abaixo em que o vocábulogrande apresenta o mesmo valor semântico que possui nesse segmento do texto é:

a) Por um grande tempo pensou-se que o livro iria ser substituído pelo computador.

b) Bill Gates tem grande interesse em mostrar a inutilidade da palavra escrita no mundo moderno.

c) O computador ainda tem uma grande estrada a percorrer até atingir a importância do livro.

d) O entrevistado Alberto Manguei é um dos grandes conhecedores do valor da língua escrita.

e) Os computadores mais modernos atingem grandes preços no mercado.

427) O item abaixo em que o elemento destacado tem seu valor semântico corretamente indicado é:

a) …a grande ferramenta PARA entender o mundo – meio

b) …explica POR QUE a palavra escrita… – finalidade

c) …por que a leitura AINDA é importante? – concessão

d) …épocas TAMBÉM marcadas por uma forte imagética. – acréscimo

e) …ASSIM COMO mais livros estão sendo publicados a cada ano. modo

428) Numa época em que predominam as imagens,… (/.04); a época a que se refere o repórter é:

a) indeterminada

b) a dos dias de hoje

c) a da Idade Média e da Renascença

d) a de um passado próximo

e) hipotética

429) Na pergunta do repórter há uma oposição implícita entre imagens e leitura porque:

a) os livros teóricos não possuem ilustrações.

b) imagens só estão presentes em livros infantis.

c) a leitura só é a possibilidade de criar imagens.

d) as imagens independem de leitura.

e) as letras não possuem sentido sem imagens.

430) Segmento do texto que NÃO mostra, direta ou indiretamente, uma visão negativa da cultura de imagens é:

a) a atual cultura de imagens é superficialíssima… (7.06)

b) essa é a tendência geral em todos os meios visivos. (7.10/11)

c) elas captam a nossa atenção por apenas poucos segundos… (/.09/10)

d) …sem nos dar chance para pensar. (/.IO)

e) Bill Gates, presidente da Microsoft, propõe uma sociedade sem papel. (/.15/16)

431) Considerando que os vocábulos imagética e visivos aparecem há pouco tempo nos dicionários da língua portuguesa, isto pode significar que:

a) são vocábulos erradamente criados pelo autor do texto.

b) tais vocábulos são traduções inadequadas de vocábulos estrangeiros.

c) representam realidades ainda ausentes de nosso cenário cultural.

d) se trata de neologismos já reconhecidos oficialmente.

e) os dicionários atuais não estão atualizados.

432) Segundo o que se depreende da resposta do entrevistado, em termos de cultura de imagens, a época moderna, em relação à Idade Média e à Renascença:

a) é bem mais superficial no tratamento das imagens.

b) prefere imagens profanas, ao invés de religiosas.

c) apresenta semelhanças nas imagens publicitárias.

d) mostra idênticas preocupações formais.

e) possui tecnologia bem mais avançada.

433) Pense, por exemplo, nas imagens veiculadas… (/.08/9); o termo sublinhado é muitas vezes confundido com vinculadas, seu parônimo. O item abaixo em que se empregou erradamente um vocábulo por seu parônimo é:

a) O deputado dedicou seu mandado à defesa da língua escrita.

b) Os monges medievais viviam imersos em leituras.

c) Os livros medievais tinham as páginas cosidas umas às outras.

d) Os livros imorais eram queimados pela Inquisição.

e) Os valores dos livros passam despercebidos a muitos.

434) Essa é a tendência geral em todos os meios visivos. (/.10/11); os meios visivos a que alude o entrevistado incluem certamente:

a) a pintura, a fotografia e o desenho

b) a televisão, o cinema e a fotografia

c) a pintura, a televisão e o cinema

d) o cinema, a fotografia e a pintura

e) o desenho, a pintura e a televisão

435) A frase final do entrevistado – Isso diz alguma coisa – refere-se à:

a) pouca importância do livro diante da importância do computador no mundo moderno

b) contradição entre o pensamento e a ação de Bill Gates

c) valorização da leitura através dos tempos

d) desvalorização das imagens no mundo da Microsoft

e) necessidade de novas pesquisas sobre o valor da leitura

436) Idéia que NÃO está contida no texto lido é:

a) A cultura de imagens na atualidade é menos profunda que em épocas anteriores.

b) As imagens publicitárias não levam à reflexão pois duram pouco em nossas mentes.

c) A compreensão integral do mundo só ocorre por meio da língua escrita.

d) Apesar da atual cultura de imagens, a leitura vê crescido o seu número de adeptos.

e) Uma sociedade sem papel, como propõe Bill Gates, é impossível.

TEXTO LXIV

CIÊNCIAS HUMANAS – IBGE

TEXTO 2

COMO SE PRECAVER DE ADVOGADOS

Alguns procedimentos para não ser enrolado por um advogado desonesto:

1. Pegue referências com antigos clientes;

2. Procure a seção da OAB ou o fórum local par ver se o advogado está cumprindo, ou já cumpriu, suspensão e pesquise o motivo;

3. Antes de acertar o valor dos honorários, consulte a tabela da OAB. Não é obrigatório segui-la, mas ela serve de base;

4. Exija um contrato de prestação de serviços com duas testemunhas. De preferência, registre-o no cartório;

5. Exija também no contrato um relatório mensal sobre o andamento do processo. Cheque as informações no fórum ou nos tribunais regularmente;

6. Ao assinar uma procuração delegando poderes ao advogado, evite conceder a ele autonomia para “dar quitação e/ou receber valores”.

(Veja, 7 de julho de 1999)

437) Sobre o título do texto – Como se precaver de advogados – só NÃO é correto afirmar que:

a) está implícito que o texto se refere aos maus advogados.

b) o termo como refere-se ao modo da ação verbal.

c) a ação verbal não está atribuída a um sujeito determinado.

d) a forma correta da posição do pronome se na frase seria após o infinitivo: como precaver-se de advogados.

e) a forma verbal corresponde à 3a pessoa do singular.

438) Se colocássemos o verbo precaver no imperativo, como os demais do texto, teríamos a forma:

a) precavenha-se

b) precaveja-se

c) precava-se

d) precaute-se

e) não existe qualquer forma para o imperativo

439) O tom do texto, criado pelo imperativo, é o de:

a) ordem

b) conselho

c) desejo

d) convite

e) pedido

440) Alguns procedimentos para não ser enrolado por um advogado desonesto; pode-se deduzir do segmento destacado que:

a) todo advogado é desonesto.

b) há outros procedimentos que não foram citados.

c) não é possível escapar de advogados desonestos.

d) os procedimentos citados são um meio de enrolar os desonestos.

e) a revista Veja não está preocupada em defender os leitores dos procedimentos citados.

441) Não é obrigatório… é forma equivalente a Não há obrigação de… seguindo esse modelo, o item que apresenta uma correspondência equivocada é:

a) não é legal – não há legalidade.

b) não é proibido – não há proibição.

c) não é possível – não há posse.

d) não é justo – não há justiça.

e) não é ético – não há ética.

442) Não éobrigatório segui-LA… (item 3); …registre-O no cartório… (item 4); nesses segmentos do texto, os pronomes destacados referem-se, respectivamente, a:

a) tabela / contrato

b) OAB / contrato

c) OAB / cartório

d) tabela / serviço

e) base / valor

443) Mensal corresponde a mês; a correspondência ERRADA entre os itens abaixo é:

a) milenar – mil anos

b) secular – cem anos

c) biênio – dois anos

d) bimestral – dois semestres

e) quinzenal – quinze dias

444) A grafia e/ou indica, entre os elementos e e ou, uma relação de:

a) semelhança

b) adição

c) alternância

d) correção

e) substituição

TEXTO LXV

CIÊNCIAS HUMANAS – IBGE

TEXTO 3

APAGUE A LUZ NA HORA DE DORMIR

Os pediatras costumam pedir aos pais que apaguem todas as luzes do quarto da criança na hora de dormir, mas há aqueles que ficam com pena do filho e não seguem a instrução à risca. De acordo com estudo recente publicado na revista inglesa Nature, bebês que dormem com a luz 5 acesa têm entre três a cinco vezes mais probabilidades de sofrer de miopia que as crianças acostumadas a repousar no escuro desde os primeiros dias de vida. Os pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, ouviram 479 pais de crianças e adolescentes de 2 a 16 anos. Eles perguntaram se, nos primeiros anos de vida, as crianças 10 dormiam com a luz do quarto ou com o abajur aceso. Testes oftalmológicos mostraram que 34% das crianças que dormiram com o abajur ligado se tornaram míopes. O mesmo problema atingiu 55% dos que mantinham a luz do quarto acesa à noite. Apenas 10% das que sempre dormiram no escuro desenvolveram miopia. A hipótese mais provável é a 15 de que a luz durante o sono prejudica o desenvolvimento da retina. Há outra razão, menos objetiva, envolvendo a luz e o sono da criança. O apagar da luz do quarto (sem direito à luz no corredor) é o marco do fim do dia. Se a luz fica acesa, a criança tende a se distrair, a olhar para cá e para lá, e isso é ruim.

(Veja – 7 de julho de 1999)

445) Segundo o texto, deixando a luz acesa, os pais podem:

a) combater a insegurança dos filhos.

b) provocar a ansiedade nas crianças.

c) evitar a chegada do medo noturno.

d) aumentar as possibilidades de miopia nos filhos.

e) evitar o desenvolvimento da retina.

446) A relação luz acesa/miopia é:

a) fruto da opinião do autor do texto

b) indicada por pesquisa universitária

c) comprovada pelos pediatras

d) derivada da falta de cuidado dos pais

e) estabelecida pela experiência

447)De acordo com estudo recente…; o item que mostra um substituto adequado da expressão sublinhada é:

a) à proporção que

b) assim como

c) conquanto

d) para

e) conforme

448)Testes oftalmológicos referem-se à visão; a relação abaixo INCORRETAMENTE indicada é:

a) dermatológico – pele

b) ginecológico – aparelho genital feminino

c) fisiológico – músculos

d) urológico – aparelho urinário

e) neurológico – sistema nervoso

Gabarito dos exercícios de interpretação

Texto LIX

399)Letra b

Questão muito delicada. Vamos começar pelo sentido da palavra monolítico, derivada de monólito. Este é o nome que se dá a qualquer obra feita de um só bloco de pedra. Monolítico que dizer, então, feito de um só bloco de pedra; sugere assim algo indivisível. No trecho destacado, a palavra tem sentido figurado, como também é figurado “pagar um preço altíssimo”. O que se pode entender do trecho é que há pessoas que, como um monólito, não se dividem interiormente, olham apenas para um lado, por isso mesmo pagando um preço alto (sofrem muito por causa dessa atitude unilateral). Por conseguinte, a resposta só pode ser a letra b.

400) Letra a

Pecador é o que peca, que erra. Descrente é tão-somente aquele que não acredita. Ser descrente não é ser pecador, não é ser errado em suas atitudes no mundo, diante de outras pessoas.

401) Letra c

A resposta se acha no trecho: “…vão rareando as convicções inabaláveis”. Isto é, desaparece, em muitos de nós, aquela condição monolítica que algumas pessoas cultivam. O terceiro parágrafo acrescenta que essas perdas ocorrem na religião, na ciência ou na filosofia.

402) Letra e

Nesta questão, podemos eliminar logo as alternativas c d, por absurdas. Não pode ser a letra a, uma vez que o texto não fala de verdades definitivas, muito ao contrário. A letra b não serve como resposta, porque nem todo progresso surge a partir da correção de erros anteriores, ele pode vir como uma complementação de conhecimentos já adquiridos, como se vê no quarto parágrafo. Por isso mesmo que acabamos de expor, com base no quarto parágrafo, o gabarito só pode ser a letra e.

403) Letra c

Vamos reportar-nos ao que é dito no sexto parágrafo: “É possível que essa onda já tenha tido alguns efeitos favoráveis à liberdade espiritual dos indivíduos, ao fortalecimento neles do espírito crítico”. A liberdade espiritual seria a possibilidade de não se aceitar qualquer coisa imposta pela ciência, pela filosofia ou pela religião; o mesmo se pode dizer do espírito crítico, que, naturalmente, permite escolher entre o que se julga bom e o que se julga mal.

404) Letra d

Com o jogo de palavras apresentado, Brecht afirma que não há ceticismo absoluto; no momento em que você acredita que não crê, deixou de ser cético, por acreditar em algo. É contraditório.

405) Letra c

O texto é uma dissertação, em que o autor defende seus pontos de vista, apresentando argumentos que julga necessários para tal.

Texto LX

406) Letra b

A resposta pode ser localizada, com clareza, no segundo período, onde se destaca a expressão sobrevivência e proliferação.

407) Letra d

Precedente é o que vem antes. Assim, um sucesso sem precedentes é um sucesso que não teve outro igual, antes dele. Podemos entender, também, que a expressão sem precedentes quer dizer sem igual. Daí a resposta ser a letra d.

408) Letra c

O enunciado dá uma definição que serve tanto para homônimos como para parônimos. O texto serviu apenas para motivar a questão, tomando por base a palavra precedente. Diz-se que precedente procedente são parônimos. Todas as alternativas apresentam palavras que têm parônimos ou homônimos: emergir/imergir, senso/censo, descriminação/discriminação, destratados/distratados, em vez de/ao invés de. Neste último caso, trata-se de expressões que podemos entender como parônimas, tal a sua semelhança. Emergir significa sair (de um líquido ou de algo), imergir que dizer entrar (no líquido); senso é juízo, censo é recenseamento, pesquisa de opinião; destratadosquer dizer tratados mal, distratados significa rescindidos (os contratos); em vez de é uma expressão que denota substituição, já ao invés de indica oposição. Na letra c houve troca no emprego dos parônimos, já que deveria ter sido usado o vocábulo discriminação, que significa separação. Descriminação é o ato de descriminar, absolver de crime.

409) Letra d

No trecho anterior a este, o autor diz que nenhuma espécie se iguala à humana em termos de sucesso alcançado (sucesso sem precedentes). Agora, no trecho do enunciado, o autor afirma que nenhuma outra espécie se iguala à humana no que toca à sobrevivência e à proliferação. Então, deduz-se que a sobrevivência e a proliferação é que medem o sucesso de uma espécie, o que nos leva para a opção d.

410) Letra b

Questão de coesão textual. Nossa refere-se ao substantivo espécie, e não ao vocábulo proporção. Observe o emprego de isso, na opção c: refere-se a um fato passado, e não a uma palavra ou expressão.

411) Letra e

Mais uma questão envolvendo os significados da palavra como. No trecho, ela pode ser substituída por porque e inicia oração subordinada adverbial causal. Isso quer dizer que a primeira oração do período é a causa do que ocorre na segunda, que então expressa uma conseqüência.

412) Letra a

Questão de sinonímia. Proliferação eqüivale, no texto, a multiplicação. Em todas as outras alternativas, não existem sinônimos.

413) Letra c

O texto destaca características próprias da espécie humana, como o controle da produção do próprio alimento e a sociabilidade e a mobilidade, estas por causa da capacidade de viver fora do seu ecossistema de nascença. São peculiaridades que distinguem a espécie humana de outras. Assim, o gabarito só pode ser a opção c.

414) Letra a

Questão de paráfrase. É quase imperceptível a diferença. O sentido da frase original é amplo: a espécie humana é um sucesso (no caso, sem precedentes); nenhuma outra se iguala a ela. Na variante, fala-se em sucesso da espécie humana, o que é mais restrito.

Texto LXI

415) Letra e

O texto não fala de possíveis dificuldades do menino nas aulas de leitura e gramática, não cabendo pois a letra a como resposta. Também não pode ser a letra b porque o desespero de que fala o texto ocorre porque o menino gostaria de estar lá fora brincando com o papagaio, não que quisesse e não pudesse comprá-lo. A letra c está errada pois ele não se encontrava de castigo, apenas estava com os livros nos joelhos. A letra d é errada porque ele e Raimundo estavam juntos, na escola. Na realidade, o texto apenas retrata as emoções de um dia de aula; por isso o gabarito é a letra e.

416) Letra c

A resposta se encontra no trecho “Agora que ficava preso, ardia por andar lá fora…”. Ou seja, queria estar na rua, brincando com os colegas, e não na sala de aula. Talvez a alternativa que possa trazer dúvida seja a d. Mas não há essa indicação no texto, inclusive no diálogo ocorrido entre os dois colegas.

417) Letra b

O que está preso por uma corda imensa é o papagaio, não o menino-narrador. Isso é dito de maneira clara nas linhas 6 e 7. As outras

relações são perfeitas.

418) Letra b

É uma questão de paráfrase, de certa forma já comentada na questão 416. A forma verbal ardia tem valor conotativo e expressa a ansiedade do menino em estar fora da escola, brincando com os colegas.

Texto LXII

419) Letra b

A principal comparação feita é a do tapete colocado por baixo da cadela e aquele por sobre o qual passará o candidato eleito. São rituais que aparecem num e noutro caso, mas que pouco interferem nos acontecimentos. Da mesma forma, tanto o parto de Big quanto a eleição presidencial custam caro. Por isso, a resposta só pode ser a letra b.

420)Letra a

Na primeira frase, o autor declara não ser sua a cadela, mas de um cunhado. Assim, não sendo ele o dono, não tinha qualquer obrigação para com o animal. Na segunda, ele repete que a cadela não lhe pertencia e entra com a conjunção adversativa mas, que introduz uma ressalva: Big estava para ter filhotes, e seu dono viajara, transferindo-se para ele, o autor, a responsabilidade de cuidar dela. 421) Letra c

O veterinário alegou que cobrara 90 mil cruzeiros por se tratar de 9 animaizinhos, saindo cada um a dez mil. Ele foi levado a reconhecer que o veterinário tinha razão. A oração “tive de admitir” eqüivale a “fui forçado a admitir”, em virtude dos argumentos apresentados.

422) Letra b

Questão de paráfrase e de coesão textual. A classificação das orações desse período é, respectivamente: subordinada adverbial condicional, introduzida pela conjunção se; principal; coordenada sindética adversativa, iniciada pela conjunção e (com valor de mas); subordinada adverbial causal, com a conjunção subentendida. Na letra b, que é a resposta, a conjunção caso substitui o se (elas são sinônimas); a oração principal fica inalterada; a conjunção mas é usada em lugar de e (elas são sinônimas); a conjunção causai pois, que estava subentendida, aparece encabeçando a última oração. Assim, não houve alteração de sentido em relação ao período original.

423) Letra e

Questão de sinonímia, inquestionável, portanto. Ungido quer dizer sagrado.

424) Letra a

Se o autor diz que, numa determinada época, ainda não gostava de cachorros, é porque agora gosta, tendo havido uma mudança de atitude. A palavra que bem expressa a mudança é ainda. Nas outras opções, não se reconhece qualquer tipo de mudança de situação.

Texto LXIII

425) Letra a

A palavra ferramenta leva à idéia de instrumento, na tarefa de se entender o mundo atual.

426) Letra d

A palavra grande, no trecho, tem valor superlativo, eqüivalendo a maior (popularmente, mais grande). Observe que a palavra está precedida do artigo definido a. Isso só ocorre na letra d, onde podemos entender que “o entrevistado Alberto Manguei é um dos maiores conhecedores do valor da língua escrita”.

427) Letra d

Os valores semânticos dos termos destacados são, respectivamente: finalidade, causa, tempo, acréscimo (gabarito), comparação.

428) Letra b

A comprovação de que a frase se refere aos dias atuais é a presença do verbo predominam, no presente do indicativo, bem como de outro verbo, na seqüência do período, também no presente do indicativo: é

429) Letra c

É uma questão extremamente complexa. Acredito que a banca do concurso tenha tido o seguinte raciocínio: as imagens já existem, enquanto a leitura cria imagens; como as imagens predominam, segundo o repórter, surge a oposição: já existirem serem criadas, ou seja, por que criar imagens se elas já existem, inclusive predominando na comunicação atual?

430) Letra e

A letra a é evidente, por causa da palavra superficialíssima. Na letra b, o fato de a tendência ser geral e em todos os meios visivos representa, na visão do autor, uma coisa ruim, por não dar opções às pessoas. A letra c tem como ponto negativo o fato de as imagens prenderem a nossa atenção por um tempo muito reduzido, não nos deixando raciocinar em cima daquilo que é exposto. À opção d cabe a mesma observação do item anterior. Já na alternativa e nada há que possa ser entendido como negativo no que se refere à cultura de imagens.

431) Letra d

Neologismos são termos criados para preencher lacunas na língua. Com o passar do tempo, são incorporados ao idioma, sendo registrados pelos dicionários. O enunciado diz que os vocábulos imagética visivos aparecem há pouco nos dicionários. Deduz-se, então, que são neologismos (se não, estariam lá há muito tempo) já reconhecidos oficialmente (pelos dicionários).

432) Letra a

A resposta se encontra, nítida, no primeiro período da resposta dada pelo entrevistado.

433) Letra a

Questão de semântica. Na frase da letra a, deveria ter sido usada a palavra mandato, poder político passado pelo povo por meio de uma eleição. Mandado é ordem judicial. Nas outras opções, temos, respectivamente: imersos: mergulhados (emersos: que vieram à tona); cosidas: costuradas (cozidas: cozinhadas); imorais: que atentam contra a moral (amorais: que não têm o senso da moral); despercebidos: sem ser percebidos (desapercebidos:desprevenidos).

434) Letra b

O autor estava falando sobre meios publicitários. Assim, pintura desenho, apenas artes, devem ser eliminados. Dessa maneira, a resposta fica sendo a letra b, pois os três elementos se prestam à publicidade, sendo chamados pelo autor de visivos.

435) Letra b

Se Bill Gates propõe uma sociedade sem papel, não poderia usar um livro, que é papel, para dar essa mensagem. Ele se contradisse, pois deveria ter usado o computador.

436) Letra c

A opção a se encontra justificada nas linhas 6 e 7. O conteúdo da alternativa b pode ser conferido nas linhas 9 e 10. Confira o que diz a letra d, nas linhas 14 e 15. Quanto à letra e, pode-se dizer que o texto, em sua interpretação global, leva a tal conclusão. A própria contradição de Bill Gates justifica a impossibilidade de uma sociedade sem papel. Já a opção c não tem qualquer apoio no texto, o qual afirma que “a palavra escrita é, mais do que nunca, a nossa principal ferramenta para compreender o mundo”. Principal, não única.

Texto LXIV

437) Letra d

Esta questão é de interpretação e de gramática. A opção a é evidente, mas precisa do que se diz no primeiro período do texto: “por um advogado desonesto”. A alternativa b é correta, uma vez que o conectivo como indica o modo de se precaver de advogados desonestos. A letra c é perfeita pois a palavra se está indeterminando o sujeito. A alternativa d está errada, por isso é o gabarito, pois os advérbios (como é um advérbio interrogativo de causa) atraem obrigatoriamente os pronomes átonos, estando correta a colocação pronominal do título. A letra e está correta pois o infinitivo é pessoal e se encontra na terceira pessoa.

438) Letra e

Questão totalmente de gramática. A 3a pessoa do singular do imperativo afirmativo é emprestada do presente do subjuntivo. Por exemplo: cante, cantes, cante, cantemos, canteis, cantem; assim, o imperativo de terceira pessoa serácante (você). O verbo precaver-se, que é defectivo, não se conjuga no presente do subjuntivo, logo não tem as formas correspondentes do imperativo.

439) Letra b

A finalidade do imperativo é dar uma ordem, um conselho, um pedido mais veemente etc. O mais comum é usá-lo para mandar, dar ordens a alguém. No texto, até em função da temática, o que a revista faz é aconselhar o leitor.

440) Letra b

A palavra alguns é a chave da questão. Com ela, tem-se a certeza de que existem outros procedimentos que não foram citados. As outras alternativas são descabidas, com exceção da última. Mesmo assim, não há por que errar a questão, pois se a revista publica o texto, só pode ser para dar aos leitores condições de se defenderem dos maus advogados.

441) Letra c

A resposta é evidente. Não é possível corresponde a não há possibilidade. Posse, embora tenha o mesmo radical de possível, mudaria o sentido da expressão, se fosse usada.

442) Letra a

Questão de coesão textual. É só voltar ao texto com atenção para acertar. Não é obrigatório segui-la corresponde aNão é obrigatório seguir a tabela; registre-o no cartório eqüivale a registre o contrato no cartório. Diz-se então que os referentes de la o são, respectivamente, tabela contrato.

443) Letra d

É uma questão de conhecimento de vocabulário. Bimestral é relativo a dois meses e quer dizer, precisamente, o que ocorre de dois em dois meses, a cada bimestre. Não confunda com bimensal, que se refere ao que ocorre duas vezes no mesmo mês.

444) Letra b

Não é fácil entender o enunciado. A questão pede a relação que existe entre as palavras e e ou, que aparecem ligadas por uma barra. No final do texto, temos “dar quitação e/ou receber valores”. O que se quer dizer é dar quitação e receber valores dar quitação ou receber valores, sendo válidas as duas coisas. Assim, a barra existente entre e e ou indica uma adição.

Texto LXV

445) Letra d

A resposta se encontra bem clara no trecho: “…bebês que dormem com a luz acesa têm três a cinco vezes mais possibilidades de sofrer de miopia…”Na verdade, esse é o tema do texto.

446) Letra b

A revista publicou a conclusão de uma pesquisa feita pela Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos (/. 7/8). A pesquisa já havia sido divulgada pela revista inglesa Nature (/. 4). Assim, a resposta só pode ser a opção b.

447) Letra e

De acordo com é uma locução prepositiva que indica conformidade. A palavra que pode substituí-la sem prejuízo de sentido é conforme, que, nesse caso, é uma preposição acidental.

448) Letra c

Questão de conhecimento de vocabulário. Fisiológico é um adjetivo que se refere ao estudo das funções orgânicas. Para músculos, temos o adjetivo miológico.

Fies – inscrição, regras e classificação

Após a divulgação dos resultados do Enem os estudantes podem começar a se preparar para a inscrição no Fies, Fundo de Financiamento Estudantil. Gerenciado pelo Ministério da Educação (MEC), o programa financia cursos de graduação superior em faculdades avaliadas positivamente no Sinaes – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. As inscrições devem ser feitas via internet até a próxima sexta-feira, dia 29. O Fies foi criado pela Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001. Junto do ProUni (Programa Universidade para Todos), o programa trabalha na democratização do acesso e permanência ao ensino superior do país. Não é cobrado nenhum valor correspondente a taxa de inscrição para participar do processo seletivo.

Inscrição no Fies

Quem pode fazer? Para participar do processo de seleção, o estudante precisa se encaixar nas regras do Fies, que são as seguintes:

  • Não ter concluído curso superior;
  • Ter renda familiar mensal bruta de até dois salários mínimos e meio, por pessoa;
  • Ter participado de alguma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, tendo atingido nota mínima de 450 pontos na média das provas e nota maior do que zero na redação.

O programa ainda permite que os estudantes que não participaram do Enem se inscrevam, desde que obedeça a uma das situações:

  • Ter concluído o ensino médio antes de 2010;
  • Ser professor da educação básica, em pleno exercício do cargo em escolas públicas, com interesse em concorrer a financiamentos em cursos de licenciatura, normal superior ou pedagogia. Apenas nesse caso, é permitido participar professores que já concluíram o curso superior.

Como se inscrever no Fies

Para fazer inscrição no Fies, o candidato precisa efetuar seu cadastro no Fies seleção, acessível no site http://fiesselecao.mec.gov.br/. No primeiro acesso, é necessário informar o número do CPF (Cadastro de Pessoa Física) e a data de nascimento. Assim, o sistema fará uma verificação automática do aproveitamento do candidato no Enem. Caso o participante não tenha feito as provas, por ter concluído o ensino médio antes de 2010, é necessário informar o ano de conclusão escolar. Se o candidato for professor, basta informar a profissão.

Durante o cadastro no Fies, é preciso cadastrar uma senha pessoal, que será utilizada em todo o processo seletivo, além de um endereço de e-mail válido. Após isso, é enviado ao estudante, via e-mail, um link para ativação do cadastro. Feito isso, basta voltar ao site do Fies seleção, clicar no link “Já sou cadastrado” e informar o CPF e a senha.




No novo acesso, o estudante deve informar o CPF de todos os membros da família com idade de até 14 anos, as respectivas datas de nascimento e a renda familiar bruta mensal de cada um dos membros. A inscrição do Fies é concluída após o estudante escolher um curso e o turno dentre as opções.

Havendo igualdade nas notas dos candidatos de mesmos cursos, os critérios de desempate do Fies serão os seguintes:

  1. Conclusão do ensino médio em escola pública;
  2. Estudante autodeclarado preto, pardo ou indígena, ou pessoa com deficiência;
  3. Professor de magistério da educação básica da rede pública;
  4. Estudante com menor renda familiar mensal.

O resultado do Fies 2016 será divulgado no site do programa e nas próprias instituições de ensino participantes. Na mesma data será aberta a oportunidade da lista de espera, oferecendo oportunidades para aquelas vagas que não forem preenchidas regularmente.

Prova pronta de elementos da comunicação

Neste artigo você encontrará alguns exercícios bastante interessantes para quem prestará Enem e ainda está no ensino Médio. As informações daqui deste artigo estão de acordo com o que é de o edital do Enem, por isso, considero interessante que você faça as atividades e, em seguida confira quais as outras competências que o Enem cobra. Vamos aos exercícios.

Lista de atividades de Português

1- São exemplos de linguagem não-verbal: (marque um X na alternativa correta)

a) sinais de trânsito e uma conversa informal entre alunos e professores.

b) cores das bandeiras e dos semáforos.

c) cantigas infantis.

d) discursos políticos.

e) apitos e discurso políticos.

Texto para os exercícios 2 e 3.

 Ando tão à flor da pele

Que qualquer beijo de novela me faz chorar

Ando tão à flor da pele

Que teu olhar flor na janela me faz morrer

Ando tão à flor da pele

Que meu desejo se confunde

Com a vontade de não ser

Ando tão à flor da pele

Que minha pele tem o fogo

Do juízo final

[…]

( Zeca Baleiro.Flor da Pele)

2 – Qual dos elementos de comunicação os verbos e pronomes desse texto privilegiam?

3 – Esse texto:

a) põe um destaque o receptor.

b) contém um emissor que procura influenciar o receptor.

c) usa o código para falar do próprio código.

d) ressalta as sensações do emissor.

e) questiona o ato de escreve.

4 – De acordo com o texto abaixo, identifique os seguintes elementos da comunicação:

“Um menino, jogando bola na rua, quebra a vidraça do Sr. Manuel. Furioso, ele grita:

_ Moleque danado. Seu pai var ter que pagar!

O garoto, então, foge em disparada.”

Emissor:

Mensagem:

Receptor:

Canal:

Código:

5 – Tanto um homem sulista quanto o nordestino se comunicam com facilidade, embora empreguem linguagens específicas. Que componente interfere no ato de fala de cada um? Comente sua resposta.

6 – Um surdo-mudo é capaz de se comunicar. Por quê? Sua resposta deve ser elaborada em cima do tema   “ tipos de linguagem.”

A leitura é importante no Enem?

Você já parou para pensar na importância da Língua Portuguesa nas provas de vestibular? Com a chegada de provas como a do Enem e também dos principais vestibulares, é certo que muitos passam a se preocupar com a leitura. O Enem, Exame Nacional do Ensino Médio, prova realizada pelo MEC acontece todos os anos e dá uma grande importância para esta habilidade. Junto com a escrita, a leitura corresponde a boa parte da nota do aluno. Considerando que o Enem é porta de entrada para Universidades e que para participar de programas sociais do Governo.

Bem, se é assim, não há quem duvide de que, atualmente, as competências de leitura e escrita são imprescindíveis para os sucessos acadêmico e profissional. Nas mais diversas áreas e nas mais variadas carreiras, reconhece-se que ler com proficiência e redigir com clareza e precisão é uma necessidade. Quem tem dificuldades de leitura ou de escrita costuma ter problemas para prosseguir os estudos e para crescer profissionalmente.

Há razões de sobra para que os vestibulares deem um peso tão grande à prova de Língua Portuguesa: é, sobretudo, por meio dela que se avaliam as habilidades de leitura e redação. É fato que essas competências estão de tal modo valorizadas que são indispensáveis também às provas das outras disciplinas.

Não é raro um aluno errar um teste de Matemática não por desconhecer Álgebra ou Geometria, mas sim por ser incapaz de compreender o enunciado de um exercício. Analogamente, é comum um estudante não ter a nota máxima numa questão escrita de Biologia, por exemplo, não por desconhecimento do assunto, mas pela dificuldade de redigir com clareza a resposta. Por isso, não é exagero dizer que as competências de leitura e escrita são fundamentais para garantir o sucesso em todas as disciplinas.

Análise – Tirinha sobre Polissemia

Sempre gostei de guardar recortes de jornal e, em especial, tirinhas para usar na formulação de exercícios de Português para meus alunos. Recentemente, vasculhando algumas pastas de tirinhas que guardava ainda da época de faculdade, encontrei esta que é perfeita para trabalhar algumas questões pertinentes às aulas de interpretação de textos. Na tirinha abaixo você verá os personagens Frank e Ernest. Veja a imagem.

quadrinhos-custar-uma-nota

Sempre digo aos alunos que um bom leitor deve dominar diversos conhecimentos. Um deles é sobre vocabulário. O texto não verbal é bem explícito no que está acontecendo. As personagens aqui são afinadores de piano. Este é um serviço que não custa tão barato porque envolve conhecimentos que uma pessoa comum não tem. O que chama a atenção, no entanto, é a fala da última personagem. Vejam o que ele diz:

“- O conserto vai custar uma nota.”

Fazendo a junção entre verbal e não verbal, veremos que no contexto dos afinadores “uma nota” é a corda em que fora identificada como o problema. A personagem, porém, transfere esta fala para outro contexto semântico, o econômico. Dá a entender, então, que o conserto vai custar muito dinheiro. Além dessa questão já citada, temos ainda a possibilidade de trabalhar com as palavras homófonas, pois o termo “conserto” tem proximidade com o termo “concerto” que está dentro do contexto da palavra “piano”.

Bem, dadas as possibilidades, não quero esgotar o que vocês podem fazer a partir da tirinha. Questões como esta são trabalhadas em provas como a do Enem, por isso, caso queira dizer como trabalhou com a imagem em sala de aula, faça-o pelos comentários.

A fotografia nas aulas de Literatura

Numa época em que os estudantes estão preocupados com o resultado do Enem, é importante não perder o foco para se preparar ainda para os vestibulares de faculdades que não usam integralmente a nota do Exame Nacional do Ensino Médio. É importante que o aluno fique atento às datas porque os resultados do Enem podem ser consultados. Através da página do participante do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) o resultado e as notas do Enem – Exame Nacional do Ensino Médio das últimas provas aplicadas. Logo quando o Inep divulgou o edital da edição deste ano do Exame, confirmando a data das provas, começaram as especulações sobre o dia em que as notas serão publicadas. A expectativa inicial sempre se confirma, com a publicação no início de janeiro, como nas edições anteriores. Para você que continua se preparando, propomos uma atividade em parceria com o site maiseducativo.com.br.

Esta sequência de cinco fotografias foi tirada por um fotógrafo amador. São, portanto, obras de um artista amador. Observe-as atentamente e participe da discussão sobre elas.

fotografia

Proposta inicial de trabalho

1. Qual é o tema das fotos?

2. As fotos focalizam o mesmo assunto e foram tiradas em sequência. Apesar disso, elas não são iguais. Para você, qual delas registra a cena com maior clareza e fidelidade? Qual a que registra a cena com menor fidelidade?

3. Observe novamente as fotos e eleja duas: a de que você mais gosta e a de que menos gosta. Procure explicar suas escolhas.

Para ler e refletir

A fotografia é uma técnica muito recente. Foi inventada nos meados do século XIX. Por muito tempo discutiu-se se o fotógrafo poderia produzir arte com ela. Afinal, basta enquadrar, “clicar” e, mecanicamente, o “assunto” fica registrado no filme, com extrema fidelidade.

Se pensarmos nos milhares de fotos que são tiradas a cada momento (atualmente, com as máquinas digitais, podemos falar de milhões), a dúvida é procedente. As fotos tiradas para documentar um evento, como, por exemplo, um aniversário, provavelmente não são o que chamamos de obra de arte. A fotografia pode ajudar nossa reflexão, por produzir objetos limítrofes entre a arte e a não arte.

H. W. Janson afirma que “A arte é um objeto estético, feito para ser visto e apreciado pelo seu valor intrínseco” e que “A estética costuma ser definida como ‘o que diz respeito ao que é belo'”.
Não podemos afirmar que as fotos são objetos estéticos apenas pelo fato de que o passarinho é belo. Se essa fosse a razão, então o próprio passarinho, isto é, o modelo focalizado pelo fotógrafo, seria uma obra de arte. A beleza do pássaro e da planta em que ele fez seu ninho não é intrínseca à foto – é externa, da natureza. Portanto, seguindo as explicações de Janson, podemos concluir que a escolha de um assunto não garante a produção de uma obra de arte pelo fotógrafo.

Retomando a comparação das cinco fotos, observamos que o fotógrafo fez algumas escolhas e tomou algumas decisões para conseguir certos efeitos e produzir um objeto estético. A sequência em que foram apresentadas testemunha essas escolhas. Na primeira, temos uma ave em seu ninho entre a folhagem; nas outras, valoriza-se progressivamente a ave, principalmente seu olho, sempre no centro. As imagens ganham novos significados: a intimidade espreitada, a privacidade invadida pela curiosidade do observador. Na última, o vão entre as folhas desfocadas é semelhante ao buraco de uma fechadura ou às frestas de uma cortina.

Tiradas por um fotógrafo, essas fotos estão muito distantes das obras de fotógrafos profissionais. Mas, independentemente da qualidade ou da importância que tenham, possuem aquele “valor intrínseco”, uma intenção estética, que as diferencia de uma foto documental, tirada com uma máquina automática apenas para guardar a lembrança de um acontecimento (valor extrínseco).

Sugestão de atividade para sala de aula

Reúna-se aos colegas de grupo e, com base nos conceitos estudados, discutam o que são valores intrínsecos e extrínsecos de uma obra.

Pesquisem em materiais especializados (livros, revistas) imagens que chamem a atenção do grupo por seus valores intrínsecos ou extrínsecos.

Escolham algumas para análise mais detalhada e realizem uma apresentação, justificando as opiniões expressas.

Organizem um roteiro que facilite a apresentação e ajude os colegas a compreenderem a escolha de vocês.

Após as apresentações, avaliem sobretudo a adequação dos resultados em função da proposta inicial.

Gabarito da atividade inicial

1. Um passarinho em seu ninho.

2. Podemos dizer das diferenças de nitidez, de abrangência e de distância.

3. Resposta pessoal.

Como fazer uma redação

O texto dissertativo é, por definição, aquele em que desenvolvemos um tema com o objetivo de esclarecer seus aspectos principais e, eventualmente, apresentar nosso ponto de vista. Tanto no Enem como em concursos é assim. Quando esse tipo de texto faz apenas um panorama das ideias principais relativas ao tema, sem defender uma opinião específica, ele recebe a designação de dissertação expositiva; quando, ao contrário, o objetivo do autor é convencer os leitores de seu ponto de vista, trata-se de uma dissertação argumentativa. Em geral, as provas de vestibular não costumam fazer menção a textos puramente expositivos. Espera-se que o candidato apresente senso crítico em sua redação e, para isso, nada melhor do que redigir uma argumentação propriamente dita. Assim, sempre que falarmos de dissertação, estaremos fazendo referência aos textos de caráter argumentativo, mesmo que essa denominação não seja explicitada.

O Tema da prova de redação

Em qualquer prova de redação, há sempre um tema a ser desenvolvido. Isso se faz necessário a fim de que os textos de milhares de candidatos possam ser comparados segundo um critério comum. Por essa razão, qualquer fuga à proposta feita pela Banca é vista como falha grave, podendo, em muitos casos, levar à anulação da prova. Apesar do medo decorrente desse aspecto, é assustador o número de alunos que foge total ou parcialmente ao tema proposto, o que pode ser explicado pelas condições de tensão a que estão submetidos naquele momento. Assim, faz-se imprescindível ter toda concentração na interpretação da tarefa a ser executada.

–>> Veja como fazer um texto nota 1000 neste outro artigo

Como fazer a Defesa de um ponto de vista

Considerando o caráter argumentativo de que falamos, não será difícil perceber que é necessário “tomar partido” em qualquer redação de vestibular. Assim como convencemos nossos pais a nos deixarem chegar tarde após uma festa, precisamos de todas as armas necessárias a levar o leitor a concordar — pelo menos em tese — com nossa opinião. Essa é uma tarefa que faz uso constante do raciocínio lógico e da organização das ideias. Cumpre ressaltar, a esse propósito, que as Bancas não avaliam qual é o ponto de vista do candidato, uma vez que todos temos liberdade de pensamento. No entanto, como em sociedade não basta ter uma opinião, sendo preciso justificá-la e fundamentá-la, os examinadores procuram avaliar essas competências na correção das provas.

Não se deve usar Linguagem Impessoal

Por se tratar de texto técnico, a dissertação deve tratar do tema proposto com uma linguagem impessoal. Além da credibilidade alcançada, obtém-se a vantagem de tornar a redação até mesmo mais consistente, ao tratar da opinião defendida como uma verdade indiscutível. É por essa razão que evitamos a 1ª pessoa do singular (“Eu”; “penso”; “na minha opinião” etc.), o que, além de tudo, seria redundante, uma vez que o texto é escrito por apenas uma pessoa e contém suas ideias.

Você precisa de Objetividade na redação

Além da linguagem, espera-se que o redator de uma dissertação seja capaz de tratar o tema com critérios objetivos. Dito de outro modo, seria inadequado deixar-se influenciar por aspectos emocionais e religiosos, por exemplo, ao discutir um tema como a legalização do aborto. Embora existam razões respeitáveis do ponto de vista puramente irracional, eles não se combinam com o caráter exclusivamente racional da dissertação.

Devo usar somente a Modalidade Escrita, o Padrão Culto

Ninguém precisa ter conhecimento profundo de gramática para saber que existem profundas diferenças entre uso oral do idioma e sua utilização escrita. Palavras como “aí” e “coisa”, por exemplo, só fazem sentido se houver um contexto físico que esclareça seus significados. A repetição de palavras, também, é fundamental em um diálogo, para que o assunto permaneça despertando atenção. Na escrita, entretanto, a imprecisão do vocabulário e as repetições lexicais, entre outros aspectos, constituem inadequações a serem evitadas. Ao mesmo tempo, por se tratar de uma prova integrante da disciplina Língua Portuguesa, a redação deve ser produzida dentro dos limites da norma culta, ou seja, sem erros gramaticais. Isso não significa que precisemos ser sofisticados; um bom texto, claro e natural, pode fazer uso dessa norma e ser perfeitamente aceitável para o leitor comum.

Como montar uma Estrutura Lógica

Assim como uma conversa, um filme e um dia têm começo, meio e fim, também uma dissertação é dividida em etapas, denominadas respectivamente de introdução, desenvolvimento e conclusão. A cada uma corresponde uma função específica dentro da estratégia maior de convencer o leitor. Ao mesmo tempo, o desempenho de cada função pode ser feito de maneira original e inteligente, fugindo ao puro didatismo, conforme veremos depois.

Quais Qualidades o texto deve ter

Um texto dissertativo que se enquadre nos parâmetros descritos até aqui não necessariamente “merece” nota dez. Isso porque, nesse caso, o aluno estaria apenas cumprindo suas obrigações. Além dos aspectos fundamentais, portanto, a redação “perfeita” deve apresentar coesão, clareza, coerência, concisão, profundidade, senso crítico e criatividade. Não é pouco, sem dúvida. Por isso, não há mágica que faça um aluno redigir melhor da noite para o dia. Apenas aos poucos, com dedicação e reflexão, será possível incorporar tantas qualidades ao próprio texto.

Escrever um texto dissertativo não é difícil quando temos a orientação certa. É isso que eu sugiro, como professor, para você quando clicar no botão abaixo. Conheça o curso e veja como você pode sair da condição de pré-vestibulando direto para uma cadeira na faculdade.

 

Assinar o DESCOMPLICA é bom?

Com o avanço das tecnologias, hoje é bastante comum que as pessoas escolham estudar em casa em vez de frequentarem uma escola. Isso acontece por vários motivos. Há quem não tenha condições de sair de casa por causa dos filhos, há quem more distante de uma escola ou mesmo não possa gastar para deslocar-se para um lugar onde haja um estudo de qualidade. É por este motivo que resolvi falar do Descomplica, o maior site de aulas online.

Com isso, muitos programas de estudo avançados surgiram para auxiliar os estudantes. Os conteúdos não se limitam apenas aos da grade curricular, mas abrangem assuntos do cotidiano e estão em constante atualização. Destes, o descomplica surge como o melhor. São anos de experiência e milhares de aprovações dentre os seus alunos. Você poderá conhecer o programa de estudos lendo este post até o fim e, de quebra, vou sugerir uma opção bastante vantajosa para você.

Qual a vantagem do Descomplica?

Recebemos diariamente muitas perguntas sobre a qualidade do material do Descomplica e podemos afirmar seguramente que é, de longe o mais completo que pode ser encontrado entre os cursos na internet. Isso porque são, atualmente, mais de 21 mil aulas gravadas e disponíveis 24 horas por dia. Mesmo assim, é preciso dizer que o desempenho do estudante depende de seu empenho nos estudos. Mas nem aí você está sozinho. Dentro da plataforma existe um guia com mais de 60 vídeos ensinando a montar um cronograma de estudos para gabaritar nas provas, como lidar com a procrastinação, como manter o equilíbrio durante a prova. Ou seja, não há como falhar no dia da prova!

Descomplica é bom para o Enem?

A resposta é SIM. O descomplica tem o maior conteúdo da internet a respeito do Exame Nacional do Ensino Médio. Além das aulas direcionadas para produtividade e hábitos de estudo que fazem parte do GEP, o Guia do Estudante Perfeito, o Descomplica traz seções especiais alinhadas ao editar do Enem. No descomplica regular, a assinatura básica, você terá direito a mais de 30.000 aulas gravadas de todas as disciplinas. Sim, Português, Matemática, Química, Física, História, Geografia e muito mais. Além disso, você terá direito a 1 correção de redação por mês e três monitorias semanais. Por último, você ainda tem 20 aulas ao vivo por semana de todas as disciplinas do Ensino Médio. Achou pouco? Veja os projetos especiais abaixo.

Dúvidas

Uma das vantagens do Descomplica é sair da mesmice da sala de aula. Na seção de Projetos especiais, os professores saem da sala de aula e mostram todo aquele conhecimento teórico na prática. isso mesmo. As aulas são gravadas de forma que se tenha uma visão prática do conhecimento adquirido em sala de aula. Tudo é elaborado dentre de um plano de estudos no qual o aluno é encaminhado para associar a teoria à prática. Num deles, por exemplo, os professores Rubens Oda e Maurício Martins vão até ambientes como a Mata atlântica, Manguezal e Restinga para mostrar aos alunos a importância deste bioma.

Aprenda a fazer uma redação nota 1000

Na plataforma do Descomplica você vai encontrar todos os segredos para escrever um texto nota 1000. Como você sabe, a redação tem o mesmo peso da prova de Linguagens e , por isso, deve ser bem feita. Além da discussão bem orientada de temas que podem cair na prova do Enem, no Redação Master o aluno poderá fazer exercícios de argumentação online com os professores, entender quais os aspectos linguísticos são mais importantes na prova, conhecer o roteiro da redação nota 1000, aprender a construir uma proposta de intervenção consistente e aplicável. Dessa forma, estudando todo este conteúdo você estará apto a figurar o seleto grupo dos que tiraram mil pontos na redação do Enem. Além disso, você poderá enviar uma redação por mês para que os professores corrijam usando a grade do Enem. Não tem como dar errado essa combinação de estudo sistemático, aulas de extrema qualidade e conteúdo memorável.

Desconversa

Além do Descomplica, a plataforma de vídeos e materiais direcionados para o Enem e vestibulares, o site tem uma versão “aberta” em que são disponibilizados materiais dos mais variados tipos.

No blog Desconversa você encontrará os os planos de estudo disponibilizados pelo Descomplica. A cada semana, a equipe do site faz uma planilha de estudos considerando as aulas ao vivo, revisões que serão feitas em vídeo e também os materiais que já estão lá. É no blog Desconversa que estão também algumas propostas de redação comentadas. Há ainda as monitorias. Tudo isso está acessível ao público, mas alguns serviços só são possíveis para assinantes. caso queira ter acesso integral ao conteúdo, caso queira fazer uso de todo esse material que tem ajudado na aprovação de milhares de estudantes, clique no banner abaixo.

Depoimento dos alunos

Quando o aluno estuda e o método é comprovado, o resultado aparece. O número de alunos satisfeitos com o Descomplica só cresce, os depoimentos na página do curso são inúmeros e revelam que é possível aprender estudando pela internet, fazendo seu próprio plano de estudos e escolhendo o caminho a seguir. O melhor é que o ritmo é controlado pelo aluno e ele pode acessar os vídeos a qualquer hora do dia e onde estiver bastando para isso apenas ter uma conexão com a internet.

Quanto custa o Descomplica?

O Descomplica tem vários preços dependendo do plano que você deseja adquirir. Existem ainda as promoções e planos com desconto durante as aulas. O melhor preço do descomplica, no entanto, você encontrará abaixo. Lá na plataforma você poderá ver planos mais completos e que cabem no seu bolso. É possível ainda parcelar no cartão a um preço que é bem menor que o lanche da cantina da escola.

Uma alternativa melhor para  redação

Fui só elogios até agora, mas nos últimos dias tenho visto nas redes sociais algumas reclamações recorrentes quanto à plataforma onde as aulas são ministradas. O Descomplica tem passado por uma grande reformulação e novos planos foram disponibilizados pelos alunos. Como toda mudança gera um pouco de instabilidade, os alunos têm reclamado que algumas aulas sumiram, alguns planos não estão mais disponíveis e até mesmo que estão tendo problemas com o player de vídeos. Por causa disso, eu preferiria esperar para assinar o descomplica. OU…

Você pode começar agora mesmo a estudar para o Enem e de forma rápida entender todos os caminhos para escrever um texto nota 1000. Como todos sabemos, a prova de redação do Enem é relativamente simples, mas a concorrência é grande e tenho visto os sonhos de muitas pessoas acabarem por causa de uma nota baixa na prova de redação. Fica então a pergunta: Você quer aprender a fazer uma redação nota 1000 no Enem?

Consulte aqui o resultado do Enem

Após a realização das provas do Enem, os estudantes ficam muito ansiosos para saber qual é o resultado do Enem. Nos últimos anos, o edital tem trazido uma data, mas parece que o MEC quer dar um presente para os candidatos revelando sempre dias antes o resultado para que todos comecem a fazer as contas para saber se conseguirão ou não uma vaga na faculdade que desejam.

A pergunta, no entanto, que todos estão fazendo é se realmente o Enem 2017 vai mudar? Quais serão as novidades? Diante de tantas especulações, os estudantes que pretendem fazer as provas do Enem 2017 (Exame Nacional do Ensino Médio) no fim do ano, estão apreensivos em busca de notícias que confirmem ou não mudanças na edição deste ano. Para ajudá-los, levantamos algumas informações e iremos esclarecer tudo o que for possível neste artigo.

As especulações sobre mudanças no Enem 2017 começaram desde agosto do ano passado, época em que o Ministério da Educação (MEC) e o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) já estavam sob novos comandos.

Presidente do Inep planeja mudanças para o Enem 2017

Desde quando assumiu a presidência do Inep, Maria Inês Fini começou a estudar alguns planos de intervenções na estrutura do Exame que, segundo ela, nunca foi planejado para se tornar um vestibular nacional.

A presidente do Inep considera que as provas do Enem 2017 nunca foram planejadas “como política pública para ser vestibular nacional. Ele foi planejado para ser uma avaliação dos alunos ao final da escolaridade básica, que termina no ensino médio”.

De acordo com Maria Inês, as possíveis mudanças seriam na “estruturação pedagógica, científica, metodológica e de medida da prova. Ninguém vai inventar a roda. Não existe outra matemática ou outra linguagem. Apenas serão outras características na estrutura da prova”.

Entretanto, durante a mesma entrevista em que citou tais palavras, concedida ao jornal O Estado de São Paulo, a presidente do Inep ressaltou que as mudanças serão implantadas no Enem 2017 apenas se o ministro da Educação, Mendonça Filho, estiver de acordo.

Bem, mudando ou não, é bastante importante que os candidatos estejam atentos.

Vale a pena guardar este link compartilhando com seus amigos nas redes sociais para que você possa conferir os resultados do Enem assim que estiverem disponíveis.

Veja aqui como consultar o resultado do Enem

Além das notas individuais da prova, a Justiça determinou que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgue na mesma data o espelho da redação do Enem.

enem-logo

Segundo o próprio Inep a divulgação mais tardia das notas da redação está ligada com a segurança da correção da prova. Segundo o Instituto, o texto é avaliado por dois corretores e, em caso de divergências acima de 100 pontos, a prova é analisada por um terceiro corretor. Se a diferença permanecer, o texto é encaminhado a uma banca com mais três avaliadores e, por isso, recorrerá da decisão da Justiça.

Exemplo de texto dissertativo sobre Xenofobia

Este é um artigo que traz um exemplo de redação desenvolvido por um aluno a respeito do tema que usamos no artigo “Como delimitar o tema na redação do Enem e que publiquei lá no meu site de Redação para o Enem. Veja então um modelo que servirá exatamente assim, exemplo do que se pode fazer. Atente que a Redação do Enem 2016 é a única chance que você tem de receber 1000 pontos. Dessa forma, você deverá observar todos os aspectos necessários para atender aos requisitos pedidos nas matrizes de referência e na proposta dada na prova.

Veja o exemplo de enfoques delimitativos na redações abaixo, textos de candidatos no vestibular:

A volta de ideologias racistas

Os partidos nazifascistas se fortaleceram na Europa diante da “ameaça comunista”. Desde então, se alastraram por todo o mundo aproveitando-se das constantes crises econômicas e sociais para implantar esse sistema ditatorial, xenofobista e excludente em sociedades ávidas por soluções imediatas.
Diante de tal conjuntura tornou-se fácil inventar causas raciais ou até mesmo comportamentais para problemas unicamente estruturais. O nacionalismo exacerbado tomou conta dessas sociedades se manifestando das mais diversas e cruéis formas. Perseguições a minorias étnicas e desrespeito à individualidade eram fatos comuns.
Entramos em um novo milênio e essa mentalidade arcaica e preconceituosa ainda se faz presente. Diariamente são publicados artigos nos jornais denunciando a violência contra nordestinos, homossexuais e minorias religiosas. Grupos “skinheads” e organizações neonazistas estão novamente se aproveitando das fragilidades sociais para divulgar a pior maneira de solucionar problemas”: a exclusão.
O desenvolvimento dos meios de comunicação, com o advento da Internet, destruiu fronteiras e viabilizou o intercâmbio de informações e pensamentos entre países antes muito distantes. Porém, esse desenvolvimento e a atual banalização da violência facilitam a ação dessas organizações neonazistas, que já estão interligadas mundo afora.
O desemprego, a miséria e a fome também contribuem para o direcionamento da raiva dos cidadãos contra si mesmos. Principalmente nas cidades nas quais o número de pessoas é muito grande, parece ter tomado conta o pensamento malthusiano de que o problema está no excesso de gente. É a partir dessa ideia sem fundamentos que nasce o ódio contra as minorias.
A erradicação dessas ideologias não se faz de maneira ditatorial, através da censura. A solução desse tipo de problemas é lenta e naturalmente alcançada através do desenvolvimento igualitário das sociedades em bases fortes porém democráticas, e da consequente conscientização, visto que essas ideologias não passam de reflexos diretos dos problemas estruturais das sociedades.

Veja ainda quais os erros que você não deve cometer na sua redação do vestibular. São situações que encontrei nas redações dos meus alunos. Clique aqui para ver.

E você? Quer aprender a fazer um texto perfeito?