Definição de narrativa e sua composição

Educação
setembro 6, 2013

O homem, em toda a sua história, ocupou-se em narrar os fatos, registrá-los sob a forma de imagens ou palavras, tecer para si um universo que se estendia para além de sua própria vida, onde tudo era possível.
E dessa forma que apareceram as chamadas narrativas. Em qualquer civilização, a qualquer tempo, há estão as histórias que os homens contaram.
Há uma infinidade de formas através das quais ela aparece: nas paredes de uma caverna, sob a forma de pintura rupestre, em contos árabes, como os de Sherazade, em livros como Decameron, de Bocaccio, ou até nas epopeias clássicas.
Criar e recriar o universo circundante através das palavras sempre foi ofício humano.
Vamos, ao longo deste artigo, definir as narrativas e, por fim, salientar as três partes de que se compõem: sequência inicial, desenvolvimento e fecho. Você vai conhecer, ainda, dois textos onde possa empregar o que aprendeu: o primeiro é “O Cajueiro”, do cronista Rubem Braga e o segundo é “Nascer’, de Carlos Drummond de Andrade, narrativa comovente e dolorida sobre o nascimento do menino João.

Mae-e-filha-lendo

“Não podemos escapar da linguagem,
as palavras não vivem fora de nós.
Nós somos o seu mundo e ela o nosso.
Para capturar a linguagem, não
precisamos mais que usá-la. As redes de
pescar palavras são feitas de
Palavras.”

(Otávio Paz, O Arco e a Lira, Editora Nova Fronteira)

Você sabe o que é uma Narrativa

Se narrar é contar algo, é preciso levar em consideração que o homem sempre quis contar histórias. Tanto nas novelas televisivas quanto numa parede de pedra em Altamira existem fatos que o narrador quis legar para a futuridade. Num quadro, nas histórias em quadrinhos, numa fotografia familiar antiga, na letra de uma música, em uma simples piada, nas páginas policiais, lá está o legado humano: a história, uma história, a recriação de toda a realidade.

O ensaísta inglês Edmund Forster, teórico da literatura, em seu Aspectos do Romance, garante que narrar é uma atividade atávica, que todo homem é um guardador de histórias, um criador de narrativas.

Quem nunca ouviu falar em Sherazade que conseguiu safar-se da morte por degolamento porque sabia contar lindas histórias e, assim, fez com que o sultão a livrasse da sentença que aplicava às outras mulheres do harém e, admirando-a, fez dela sua esposa? Quem nunca ouviu falar do Decameron, de Bocaccio, histórias contadas entre si por um grupo de jovens que se protegiam da peste, isolados num castelo, esperando que a praga passasse e pudessem voltar para seus pais?

Narrar é reinventar o mundo, é recriar a vida, é tentar ser uma espécie de Deus criador de destinos.

Toda narrativa pressupõe quatro elementos básicos: personagem, tempo, ação e espaço. Não existe narrativa sem esses quatro componentes. No próximo capítulo, vamos estudá-los um a um. Observe agora de que se compõe a estrutura narrativa.

A estrutura narrativa

Se tomarmos em consideração o romance, a novela ou o conto, o enredo terá de desenvolver-se da seguinte forma:

Sequência inicial (ou Exposição)

Dá-se quando são apresentados ao leitor personagens, cenários, tempo.

É quando há uma multiplicidade de situações ainda não delineadas, criaturas que são vistas individualmente, ambientes que formam apenas um pano de fundo. Geralmente, as narrativas iniciam-se por um conflito (lance inicial), um problema, uma dúvida. Tome como exemplo Memórias Póstumas de Brás Cubas: um narrador defunto contará a sua história; ou como em D. Casmurro: o narrador quer “atar as duas pontas da vida”; ou como em Senhora: o relato de Aurélia Camargo que “compra” um marido de pouco estofo* moral por cem contos de réis.

Desenvolvimento narrativo

Decorre do encadeamento de feitos, ações. Os “destinos” das personagens se entrelaçam, aproximando-as, distanciando-as: as complicações narrativas encadeiam-se lentamente, o leitor é levado a conhecer o que propõe o texto. Histórias de personagens secundários e protagonistas se misturam sequencialmente até que, finalmente, atinjam o clímax, ponto mais alto da narrativa, ocasião em que tudo se esclarece: vilões são punidos, amores são refeitos, criaturas se aproximam, tragédias ocorrem. Tomemos o exemplo da descoberta, por parte de Riobaldo, no livro Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, de que Diadorim é uma mulher.

Desfecho ou desenlace

É a conclusão, o “arremate” do texto.

Suponha uma novela de TV. Mocinho e mocinha felizes e casados, vilão preso, tudo em paz. Você já pode até adivinhar o que vai acontecer no “arremate”, acabamento: as personagens menores se acomodam em seus destinos, nasce uma criança, um casamento se faz. Todos serão felizes ou prosseguirão de qualquer modo suas vidas. É o fim da narrativa.

É preciso entender que a tripartição acima pode ser alterada de acordo com a disposição que o narrador dá à temporalidade. Em Memórias Póstumas de Brás Cubas, por exemplo, a narrativa começa no ponto mais alto: o enterro do narrador, ponto de partida para que ele, “do outro lado da existência”, inicie a narração, voltando à sequência inicial através de “flash-backs”.
Observe os textos abaixo, e tente, em cada um deles, demarcar sequência inicial, desenvolvimento narrativo, clímax e desfecho:

Texto 1 – O Cajueiro

O cajueiro já devia ser velho quando nasci. Ele vive nas mais antigas recordações de minha infância: belo, imenso, no alto do morro, atrás da casa. Agora, vem uma carta dizendo que ele caiu.
Eu me lembro do outro cajueiro que era menor, e morreu há muito mais tempo. Eu me lembro dos pés de pinha, do cajá-manga, da grande touceira de espadas-de-são-jorge (que nós chamávamos simplesmente “tala”) e da alta saboneteira que era nossa alegria e cobiça de toda a meninada do bairro porque fornecia centenas de bolas pretas para o jogo de gude. Lembro-me da tamareira, e de tantos arbustos e folhagens coloridas, lembro-me da parreira que cobria o caramanchão, e dos canteiros de flores humildes, “beijos”, violetas. Tudo sumira; mas o grande pé de fruta-pão ao lado de casa e o imenso cajueiro lá no alto eram como árvores sagradas protegendo a família. Cada menino que ia crescendo ia aprendendo o jeito de seu tronco, a cica [sabor, gosto] de seu fruto, o lugar melhor para apoiar o pé e subir pelo cajueiro acima, ver de lá o telhado das casas do outro lado e os morros além, sentir o leve balanceio na brisa da tarde.
No último verão ainda o vi; estava como sempre carregado de frutos amarelos, trémulo de sanhaços. Chovera; mas assim mesmo fiz questão de que Carybé subisse o morro para vê-lo de perto, como quem apresenta a um amigo de outras terras um parente muito querido.
A carta de minha irmã mais moça diz que ele caiu numa tarde de ventania, num fragor, tremendo pela ribanceira; e caiu meio de lado, como se não
quisesse quebrar o telhado de nossa velha casa. Diz que passou o dia abatida, pensando em nossa mãe, em nosso pai, em nossos irmãos que já morreram. Diz que seus filhos pequenos se assustaram; mas depois foram brincar nos galhos tombados.
Foi agora, em setembro. Estava carregado de flores.

(Rubem Braga, Os melhores contos, Global Editora, pp 137 a 138)

Texto 2 – Nascer

O filho já tinha nome, enxoval, brinquedo e destino traçado. Era João, como o pai, e como aconselhavam a devoção e a pobreza. Enxoval e brinquedo de pobre, comprados com a antecedência que caracteriza, não os previdentes, mas os sonhadores. E destino, para não dizer profissão, era o de pedreiro, curial ambição Carlos Drummond. do pai, que, embora na casa dos 30, trabalhava ainda de servente.
Tudo isso o menino tinha, mas não havia nascido. Eles nascem antes, nascem no momento em que se anunciam, quando há realmente desejo de que venham ao mundo. O parto apenas dá forma a uma realidade que já funcionava. Para João mais velho, João mais moço era uma companhia tão patente quanto os colegas da obra, e muito mais ainda, pois quando se separavam ao toque da sineta, os colegas deixavam por assim dizer de existir, cada um se afundava na sua insignificância, ao passo que o menino ia escondido naquele trem do Realengo, e eram longas conversas entre João e João, e João miúdo adquiria ainda maior consistência ao chegarem em casa, quando a mãe, trazendo-o no ventre, contudo o esperava e recebia das mãos do pai, que de madrugada o levara para a obra.
Estas imaginações, ditas assim, parecem sutis; não havia sutileza alguma em João e sua mulher. Nem o casal percebia bem que o garoto rodava entre os dois como um ser vivo; pensavam simplesmente nele, muito, e confiados, e de tanto ser pensado João existiu, sorriu, brincou na simplicidade de ambos. Como alguém que, na certeza de um grande negócio, vai pedindo emprestado e gastando tranquilamente, João e a mulher sacavam alegrias futuras. João sentia-se forte, responsável. Escolhera o sexo e a profissão do filho; a mulher escolhera a cor, um moreno claro, cabelo bem liso, olhos sinceros. Não havia nada de extraordinário no menino, era apenas a soma dos dois passada a limpo, com capricho.
Esperar tantos meses foi fácil. O menino já tomava muita parte na vida deles, nascer era mais uma formalidade. Chegou março, com um tempo feio à noite, que ameaçava carregar o barraco. A mulher de João acordou assustada, sentindo dores. Pela madrugada, correram à estação; a chuva passara, mas o trem de Campo Grande não chegava, e João sem poder mexer-se. As dores continuavam, João levou tempo para pegar uma carona de caminhão.
Na maternidade não havia médico nem enfermeira, que o temporal tinha retido longe. João perdera o dia de serviço e esperou, determinado. Afinal, levaram a mulher para uma sala onde cinco outras gemiam e faziam força. João não viu mais nada, ficou banzando no corredor. Entardecia, quando a porta se abriu e a enfermeira lhe disse que o parto fora complicado mas agora tudo estava em ordem, a criança na incubadora. “Posso ver?” “Depois o senhor vê. Amanhã.” Amanhã era dia de pagamento, não podia faltar à obra. Voltaria domingo.
Mas no dia seguinte, à hora do almoço, telefonou, uma complicação, não se ouvia nada, alguém da secretaria foi indagar, respondeu que tudo ia bem, ficasse descansado.
Domingo pela manhã, João se preparava para sair, quando a ambulância silvou à porta, e dela desceu, amparada, a mulher de João. “O menino?” “Diz-que morreu na incubadora, João. ” “E era mesmo como a gente pensava, moreninho, engraçado?” Ela baixou a cabeça. “Não sei, João. Não vi. Eu estava passando mal, eles não me mostraram.”
E o menino, que tinha sido tanto tempo, deixou de repente de ser.

(Carlos Drummond de Andrade, Seleta em Prosa e Verso, Liv. José Olímpio, 1978, pp 65 a 66)

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply