Como ajudar na alfabetização de seu filho

Educação
junho 5, 2015

O texto que reproduzo abaixo fez parte de uma reunião pedagógica de que participei durante uma capacitação. De tão pertinente, considerei trazê-lo para vocês. Muitos são os pais que se preocupam com a alfabetização de seus filhos. Alguns relegam à escola o papel de educar para a vida acadêmica e para a vida, mas a família tem papel fundamental durante todo o processo. Dessa forma, entendo que mesmo os pais podem ajudar, e muito, seus filhos a adquirirem a capacidade de escrever e ler melhor. Leia-o e compartilhe com seus amigos, professores e prepare-se melhor para a difícil, mas estimulante tarefa de ajudar nossos filhos.

1-    DEIXAR BILHETES OU ESCREVER CARTAS

Que outra função tão importante tem a escrita que não a de comunicar? Pois desde bem cedo a criança pode perceber isso, pelas atitudes dos pais. Deixe recadinhos na porta da geladeira, escreva cartas e estimule-a a fazer o mesmo (mesmo que saiam apenas rabiscos. Lembre-se: nessa fase do desenvolvimento, não se erra, se tenta acertar). ‘Vou escrever uma carta para a vovó contando como estamos. O que você quer que eu conte para ela?’. Recebeu uma carta ou encontrou um recadinho em casa? Leia em voz alta. “Procure incluir a criança sempre que uma situação de comunicação escrita se apresentar na casa”, aconselha a educadora Maria Claudia.

2-      PREPARAR RECEITAS CULINÁRIAS NA PRESENÇA DA CRIANÇA

Num ambiente alfabetizador, é importante que a família chame a criança, desde muito cedo, para participar de algumas ações, de forma que ela presencie o contato com a língua escrita, percebendo suas várias funções. Na culinária isso pode acontecer de maneira descontraída e divertida. Durante a receita de um bolo, por exemplo, vá perguntando para a criança: “Vamos ver o que falta colocar? Ah, ainda preciso colocar 3 ovos, está escrito aqui”.

3-      LER HISTÓRIAS

Ler para a criança pequena tem muitos benefícios e, num ambiente alfabetizador, é a primeira exigência a ser feita, pois é por meio de pais e professores que a criança passa a ter contato com a língua escrita. “Quando a mãe lê uma história para a criança, ela é leitora junto com a mãe”, acredita Maria Claudia Rebellato. Leia com frequência para seu filho: gibis, revistas, contos de fadas… Leia mais de uma vez o mesmo livro, pois isso é importante para a criança começar a recontar aquela história depois, no papel de leitora, inclusive passando as páginas do livro corretamente.
O que pouca gente lembra é que o ato de leitura deve começar muito cedo, com crianças que ainda estão longe de serem alfabetizadas. “É assim que os pequenos vão percebendo a relação entre as linguagens oral e falada; vão identificando as várias funções da escrita, para que serve cada gênero textual; e vão se tornando leitores e escritores”, coloca a especialista. Ao ouvir histórias, a criança acaba percebendo que a leitura é feita da esquerda para a direita (importante para o momento em que ela vai começar a riscar), consegue diferenciar o que é texto do que é desenho, começa a notar que as palavras são escritas separadamente formando frases que fazem sentido e a adquirir noção de volume de texto. “É comum, por exemplo, a criança perceber quando a mãe está pulando trechos da história (geralmente porque ela já está cansada e quer dar uma resumida na historinha). A criança vira e fala ‘tem mais coisa aí, mamãe’. Isso mostra que ela está já está amadurecendo como leitora e, embora ainda não leia, já faz o que chamamos de pseudoleitura”, observa a Maria Claudia.

4-      SER UM MODELO DE LEITOR

Essa é a premissa mais básica de qualquer ambiente alfabetizador. A criança forma valores a partir de bons modelos e, assim, ter pais leitores é fundamental para ela aderir à leitura. “Estante de livro não pode parecer santuário. As crianças têm de observar que os pais estão sempre mexendo ali, escolhendo um livro, lendo-o e comentando-o com a família”, acredita Cida Sarraf. E não apenas os livros. A leitura de revistas e jornais também tem de ser um hábito dos pais.
Os pais também têm de prestar atenção ao ambiente em que fazem sua leitura, passando a impressão de que ler é prazeroso, mas também é coisa séria. O ambiente deve ser tranquilo, sem muitos ruídos, com boa iluminação, e deve-se sentar com a postura corporal correta, para não se cansar rapidamente.

5-      EXPLORAR RÓTULOS DE EMBALAGENS

Alguns produtos são recorrentes na dispensa de nossas casas e as crianças acabam se acostumando com a presença deles. Aproveite momentos de descontração, como durante as refeições, para ler os rótulos junto com seu filho. “Com o tempo, ele começa a ler por imagem, por associação. Ele pode ainda não estar alfabetizado, mas já sabe o que está escrito naquela embalagem”, explica a especialista Maria Claudia Rebellato. Segundo ela, os rótulos são interessantes de serem lidos porque, na maioria dos casos, são escritos em letra CAIXA ALTA, que é a qual a criança assimila antes da letra cursiva.

6-      FAZER LISTA DE COMPRAS COM SEU FILHO

Esta aí uma tarefa pra lá de corriqueira: fazer a lista de compras do supermercado. Num ambiente alfabetizador, o momento pode ser aproveitado: chame a criança para preencher a lista com você e faça com que ela perceba que você anota no papel as coisas que irá comprar, para consultar lá no mercado (uma forma de ela relacionar a linguagem oral com a escrita). Vá conversando com ela: “Vamos anotar para não esquecer. O que mais vamos ter de comprar? Então, vamos escrever aqui”. Deixe que ela acompanhe com os olhos o que você está escrevendo e vá falando em voz alta.

7-      APROVEITAR AS SITUAÇÕES DA RUA

Placas de trânsito, destino de ônibus, outdoors, letreiros, panfletos, faixas… onde quer que frequentemos estaremos sempre em contato com o mundo letrado e é ótimo que os diferentes elementos sejam aproveitados com a criança. “Dá para levar em forma de brincadeira. ‘Olha filho, tem uma placa igual a essa em frente à nossa casa. Sabe o que está escrito nela?’’ ou ainda ‘Olha, filho, esse ônibus vai para Cajuru. Cajuru também começa com Ca, igual o nome da mamãe, Carolina’. É por meio dessas situações que a criança vai percebendo as diferentes funções da escrita e fazendo associações”, acredita Maria Claudia. Segundo ela, é uma forma não de ensinar/aprender, mas de brincar com as letras, com as palavras, com a escrita e a leitura.

8-      FAZER OS CONVITES DE ANIVERSÁRIO COM AS CRIANÇAS

Escrever nos convitinhos de aniversário é uma etapa da festa da qual a criança precisa participar. Pergunte a ela: “o que teremos de escrever nos convites? Precisamos dizer onde vai ser e a que horas”. Isso pode ser feito desde o primeiro aniversário da criança, repetindo nos anos seguintes, até chegar a vez em que ela própria irá querer escrever sozinha, com sua letrinha.
Outra atitude interessante é escrever cartões de aniversário ou de casamento na frente da criança. “Esses nossos amigos irão se casar. Vamos escrever uma mensagem a eles para enviar junto com o presente?”. A situação pode ser corriqueira para você, mas para a criança tudo é novidade. Participe-a desses momentos. Nos aniversários das pessoas da família, incentive-a a escrever algum cartão, mesmo que ela faça apenas desenhos. Pergunte que mensagem ela quis passar e em seguida faça um elogio ao seu trabalho.

9-      MONTAR UMA AGENDA TELEFÔNICA

A agenda telefônica é um bom objeto a ser explorado com as crianças. Ela mostra, claramente, o que é texto e o que é número, com a função de cada um deles. O texto é usado para escrever o nome das pessoas ou dos lugares, enquanto o número é utilizado para informar o telefone. No dia a dia, chame a criança para observar essa diferença. “Olha filho, deste lado ficam os nomes das pessoas e deste o número do telefone delas. Vamos ver qual o número da casa da titia?”.

10-APONTAR OUTROS MATERIAIS ESCRITOS

Brinquedinhos com palavras e números, calendários, jogos de computador, álbum de fotografia com legendas, scrapbook, tudo isso pode estar no ambiente de convivência da criança, mas… Desde que realmente sejam usados por ela, e não funcionem como meros enfeites do seu quarto. “A criança tem de perceber a função de cada um dos elementos que é posto para ela”, reitera Cida Sarraf. Houve um tempo em que pais e professores acreditavam que bastava etiquetar os objetos (etiqueta com a palavra cama na cama, com a palavra armário no armário) para as crianças se familiarizarem com a língua. Mas as pesquisas mais atuais mostraram que os diversos gêneros textuais precisam estar presentes e serem usados dentro de uma função comunicativa. Portanto, quando for montar um álbum com fotos de uma viagem, chame a criança para legendar cada foto com você. “Você lembra como se chamava este lugar? Vamos escrever aqui para sabermos daqui a um tempo”.

11-  RESPEITAR O RITMO DA CRIANÇA

Brinquedinhos com palavras e números, calendários, jogos de computador, álbum de fotografia com legendas, scrapbook, tudo isso pode estar no ambiente de convivência da criança, mas… desde que realmente sejam usados por ela, e não funcionem como meros enfeites do seu quarto. “A criança tem de perceber a função de cada um dos elementos que é posto para ela”, reitera Cida Sarraf. Houve um tempo em que pais e professores acreditavam que bastava etiquetar os objetos (etiqueta com a palavra cama na cama, com a palavra armário no armário) para as crianças se familiarizarem com a língua. Mas as pesquisas mais atuais mostraram que os diversos gêneros textuais precisam estar presentes e serem usados dentro de uma função comunicativa. Portanto, quando for montar um álbum com fotos de uma viagem, chame a criança para legendar cada foto com você. “Você lembra como se chamava este lugar? Vamos escrever aqui para sabermos daqui a um tempo”.

ENTENDA O CONCEITO DE AMBIENTE ALFABETIZADOR

A partir das investigações das educadoras Emília Ferreiro e Ana Teberosky, apresentadas no livro Psicogênese da Língua Escrita, vários pesquisadores da área começaram a construir uma nova didática da alfabetização, chegando ao conceito de ambiente alfabetizador. No começo, houve interpretações errôneas, e professores começaram a colocar nomes nas coisas, como etiqueta com a palavra lousa na lousa, etiqueta com a palavra mesa na mesa, supondo ser assim um ambiente alfabetizador. Com as pesquisas que se seguiram, concluiu-se que um ambiente alfabetizador não somente é aquele que contem material escrito, mas aquele em que diversos gêneros textuais estão presentes e sendo usados, dentro de uma função comunicativa. Ou seja, o uso tem de ser efetivo.

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply